Governo aprovou uma requisição civil? Não. Medida só será usada em “situações extremas”

Não há requisição civil preventiva, garantiu Vieira da Silva. Com a declaração da crise energética, cada automobilista só pode abastecer 15 litros na rede prioritária e 25 litros nos outros postos a partir das 23:59 de 11 de agosto.

Cristina Bernardo

O Governo declarou a crise energética a partir da meia noite de sábado, 10 de agosto, até 21 de agosto. Após as declarações do ministro do Trabalho, Vieira da Silva, e do ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, ficou a dúvida no ar: a requisição civil preventiva acabou de ser decretada ou não?

Os jornalistas pediram ao ministro do Trabalho para esclarecer se esta figura legal tinha acabado de ser decretada, mas Vieira da Silva explicou que não.

“Não pode depreender isso das minhas palavras [requisição civil preventiva]. O Governo espera que tudo corra na normalidade e haja cumprimento dos serviços mínimos. O Governo está atento”, garantiu o governante.

O Executivo diz que “não vai utilizar este instrumento mais pesado” mas que está preparado para “utilizar instrumentos para garantir a tranquilidade dos portugueses”.

“Começou pela fixação dos serviços mínimos, passa agora pelo acompanhamento” das  medidas de “emergência energética que já foram anunciados”, afirmou.

“O Governo tentará que não seja necessária a requisição civil”, destacou. O uso da requisição civil só será utilizada na “sequência de um incumprimento dos serviços mínimos. Na sequência de um incumprimento, será utilizado”, garantiu.

“Se houverem factos que apontem para a necessidade de utilizar, o Governo numa situação extrema vai aplicar os instrumentos necessários”, afirmou Vieira da Silva.

Sobre os serviços mínimos, o ministro mostrou estar confiante no seu cumprimento. “Estou convicto que vão ser cumpridos, fazem parte da lei, constituem uma infração séria”.

Com a declaração da crise energética, cada automobilista só pode abastecer 15 litros na rede prioritária e 25 litros nos outros postos a partir das 23:59 de 11 de agosto.

Especialistas em legislação laboral consultados pelo Jornal Económico defendem que o Governo deve avançar para a requisição civil antes da greve, tal como aconteceu na TAP em 2014.

“Acho que há bons argumentos jurídicos para sustentar que a requisição civil antes da greve é possível, independentemente do incumprimento dos serviços mínimos. Espero que não cheguemos lá numa perspetiva de reação, porque poderemos ter danos que são irreversíveis. Estão em causa setores vitais da economia: poderão fechar empresas e haver um aumento do desemprego, em última instância”, disse o advogado Luís Gonçalves Silva ao JE.

Também a advogada Rita Garcia Pereira defende que o Governo tem a possibilidade de avançar para um requisição civil antes da greve começar. “Pode ser determinada a requisição civil, porque está em causa o abastecimento de bens essenciais, não apenas o combustível, como, por exemplo, a própria comida nos supermercados”, afirma a especialista em direito do trabalho.

Especialistas defendem aprovação da requisição civil pelo Governo antes da greve dos motoristas

Ler mais
Recomendadas

Carlyle avalia venda de posição na portuguesa Logoplaste

De acordo com a agência, o grupo já contactou o Barclays Plc e o Goldman Sachs para se aconselhar sobre o negócio.

Novo Banco: GamaLife, antiga GNB Vida, recusa “qualquer relação” com Lindberg

Previamente conhecida como GNB Vida, a GamaLife garante não ter qualquer relação com Lindberg e adianta ainda que “o envolvimento da Apax Partners na aquisição da GamaLife só começou após os problemas amplamente divulgados do Sr. Lindberg, quando já era bastante evidente que ele não seria capaz de completar esta transação“.

Toshiba retira-se oficialmente do negócio dos portáteis

A Toshiba já tinha vendido 80,1% do seu negócio de PCs à Sharp, ficando com uma participação na nova marca criada, a Dynabook, mas agora entregou o resto das ações da empresa.
Comentários