Governo assina protocolo com a Google para fomentar competências digitais e empreendedorismo

O memorando de entendimento foi assinado esta terça-feira e engloba três âmbitos: desenvolvimento de competências digitais e empregabilidade; startups e Inteligência Artificial. “É significativo, porque um líder mundial nestas tecnologias coloca ao serviço da nossa comunidade um conjunto de ferramentas essenciais para que o mundo digital seja cada vez inclusivo e ao alcance de todas as organizações”, disse o ministro Pedro Siza Vieira.

A Google e o Governo estabeleceram esta terça-feira um acordo de colaboração centralizado na recuperação económica do país e na transição digital com a assinatura de um memorando de entendimento para a criação de competências digitais e promoção do empreendedorismo.

O secretário de Estado para a Transição Digital disse que o programa “Grow Portugal with Google” engloba a incorporação das ferramentas tecnológicas mais avançadas, entre as quais a inteligência artificial (IA) e o cloud computing, nos modelos de negócio das empresas.

“É uma empresa tecnológica de referência no nosso mercado e talvez a mais relevante do mundo no tratamento dos grandes volumes de dados (Big Data)”, destacou André de Aragão Azevedo, numa conferência online gravada a partir do Ministério da Economia.

Em causa está uma parceria público-privada que resulta de “alinhamento e convergência de agendas”, segundo o Governo. “É difícil pensar numa transição digital que não conte com a contribuição de quem é líder de mercado, convergente com uma política pública”, explicou o governante, fazendo referência à cooperação por parte dos institutos politécnicos nacionais.

No âmbito da assinatura deste protocolo, o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital reiterou que se a economia e a sociedade do futuro forem mais digitais serão mais produtivas e alertou que ainda há trabalho a fazer na capacitação digital das empresas.

Os programas da Google que serão agora criados ou alargados pretendem assegurar a qualificação das pessoas que no acesso às ferramentas digitais (básica) quer no desenvolvimento de linguais de programação (específica), segundo o ministro. “Este memorando é significativo, porque significa que um líder mundial nestas tecnologias coloca ao serviço da nossa comunidade um conjunto de ferramentas essenciais para que o mundo digital seja cada vez inclusivo e ao alcance de todas as organizações”, afirmou Pedro Siza Vieira.

Já o country manager da Google Portugal apelou ao investimento nas competências digitais, no qual o país tem um “défice histórico”. “A transição digital já estava a acontecer, mas a pandemia forçou uma aceleração para a qual muitas empresas não estavam preparadas”, lembrou Bernardo Correia. “Os empregos do futuro precisam de competências digitais. É hoje mais urgente investir em pessoas e nos negócios para uma recuperação sustentada”, concluiu.

Com este memorando, a Google reforça a sua colaboração com o Plano de Ação para a Transição Digital num trio composto por: desenvolvimento de competências digitais e empregabilidade; empreendedorismo/startups e IA.

Em que se irá materializar?

  • Expansão do Ateliê digital
  • Expansão do Android Training program – mais três mil programadores serão formados em Android, cloud e machine learning a partir de dia 14 de outubro
  • Ferramenta online de procura de emprego/colaboradores em parceria com o IEFP
  • Três webinars gratuitos sobre a digitalização em prol da internacionalização em parceria com a Aicep
  • Google for Startups
  • Ferramenta online IA for Business – Check up para as organizações perceberem como implementar inteligência artificial nos seus negócios
Ler mais
Relacionadas

Empregos no motor de pesquisa e mais programadores. Como é o acordo entre o Governo e a Google

O memorando de entendimento assinado esta terça-feira prevê ainda a expansão do Atelier Digital, na qual os portugueses são formados sobre websites ou estratégias de negócio online, e uma ferramenta para ajudar as empresas a implementar inteligência artificial.
Recomendadas

AHRESP entende que proibição de circulação não se aplica às reservas feitas previamente

No entanto, porque persistem dúvidas sobre a interpretação desta norma, a associação da restauração e hotelaria garante que irá questionar a tutela sobre o assunto.

CEO da CGD defende que a consolidação bancária vai decorrer “nos próximos dois anos”

A consolidação da banca poderá ser impulsionada pelos resultados dos bancos nos próximos trimestres, defendeu o CEO da CGD que considera que um banco público tem de ter dimensão para poder ser relevante no mercado. O BCP defende que a consolidação será cross border. Aumentos de capital para superar a crise? CEO do BCP e o CEO do BPI rejeitam que haja essa necessidade.

Novo Banco tem carteira de malparado de 100 milhões à venda

A revelação foi feita numa conferência para falar sobre a “banca do futuro”, organizada pelo Negócios, António Ramalho ironizou ao falar da carteira de NPL que está já à venda: “não se chama ‘Nata 3’ porque achámos por bem denominar isto com nomes mais ligados a jogadores de rugby. Que passou a estar na moda depois de este meu colega [Miguel Maya] ter lançado dois processos no mercado com base no rugby”.
Comentários