Governo assume que estão pagos cerca de 60% dos fundos comunitários a empresas

A ministra da Coesão Territorial adiantou esta sexta-feira em Tondela que cerca de 60% dos seis mil milhões de euros de fundos comunitários para empresas do Portugal 2020 já estão pagos.

Ana Abrunhosa

“Nos apoios só para empresas, tínhamos 18.600 projetos aprovados que envolviam um investimento de quase 12 mil milhões de euros e que envolviam fundos à volta de seis mil milhões de euros e já estavam pagos, desses seis mil milhões de euros, cerca de 60%”, adiantou Ana Abrunhosa.

Isto, explicou, “até à data do final do mês passado, do programa Portugal 2020, e projetos em obra”, clarificou a ministra, que falava perante empresários que haviam anunciado no mesmo dia um investimento superior a 95 milhões de euros em projetos de ampliação das estruturas já edificadas no concelho de Tondela.

“Muitas das vezes diz-se que os fundos comunitários são só para as grandes empresas e é muito difícil aceder aos fundos comunitários. Queria dizer-vos que 80% dos fundos para as empresas do Portugal 2020 são para PME [Pequenas e Médias Empresas], embora aqui estejam empresas médias e grandes”, acrescentou Ana Abrunhosa.

A governante disse que “não há impossíveis”, apesar de reconhecer que “não é fácil, mas também se fosse fácil não sabia bem”. Nesse sentido, a ministra é da opinião que o Governo ainda pode “melhorar as dificuldades e diminuir a burocracia”, mas “as empresas executam e o futuro dos fundos europeus continua a ser este”.

Ana Abrunhosa admitiu ainda, em resposta ao presidente da Câmara local, José António Jesus, que “muitas vezes se demonizam as estradas, porque o país já tem muitas”. O autarca havia anteriormente manifestado o desejo de ver a via que atravessa o concelho, o Itinerário Principal (IP) 3, transformar-se em autoestrada.

“Alguns territórios não têm as estradas que necessitam e as estradas são muito importantes para a competitividade, porque elas têm um impacto importante no custo do transporte e nós sabemos bem da importância que alguns cêntimos fazem, em termos de poupança no custo de transporte, depois no preço final e na concorrência internacional”, continuou.

Num dia que a governante descreveu como “muito bom”, dado o anúncio de investimentos na região, a ministra elogiou o José António Jesus pela “missão pública” que tem levado a cabo. Além disso, “os fundos comunitários estão à disposição e uns aproveitam-nos bem e outros nem por isso, o que não é o caso, e em prol das empresas”.

“O investimento público que é feito em prol das empresas é o melhor exemplo de aplicação de fundos europeus e de fundos por parte das autarquias”, defendeu, ao mesmo tempo salientando que o que tem visto nas empresas que visita em Tondela “é uma aposta na inovação e em bons salários e é essa a via do sucesso”.

Ana Abrunhosa deixou ainda rasgados elogios aos 12 empresários presentes que estão a investir em Tondela. De resto, na visão da ministra este é um concelho que, no seu entender, “já não é interior e os responsáveis são os empresários, porque apostaram na inovação e em postos de trabalho qualificados”.

Ler mais

Recomendadas

Edmundo Martinho vai liderar comissão para elaborar Estratégia Nacional de Combate à Pobreza

O Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e mais seis individualidades entre as quais Carlos Farinha Rodrigues, especialista em pobreza e desigualdades, integram a recém-criada comissão que irá elaborar a Estratégia Nacional de Combate à Pobreza que será apresentada pelo Governo até 15 de dezembro. Despacho que cria nova comissão foi hoje publicado em Diário da República e sinaliza que medidas terão em conta a “degradação” das condições materiais de muitos portugueses devido à pandemia.

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

A semana será marcada pela discussão e votação na generalidade do Orçamento do Estado para 2021. Os analistas e investidores estarão ainda atentos à reunião do Banco Central Europeu e aos sinais que chegam sobre a economia, através da publicação da estimativa rápida do PIB da zona euro, do terceiro trimestre.
Vasco Cordeiro com Carlos César

Vasco Cordeiro diz que o PS teve “vitória clara e inequívoca” nos Açores

Líder do PS-Açores, que procura o terceiro mandato enquanto presidente do governo regional, defendeu que as eleições deste domingo “não foram um plebiscito ao governo regional”. E recusou-se a comentar paralelismos com o que aconteceu em 2015, quando a coligação liderada por Passos Coelho foi a mais votada, mas o seu governo acabou por ser derrubado na Assembleia da República.
Comentários