Governo chinês vai investir mais de 8 mil milhões de euros para conter coronavírus

Pequim decidiu alargar o feriado nacional alusivo ao ano novo chinês com o objetivo de manter as pessoas em casa e diminuir o risco de contágio.

O Governo de Pequim aprovou oito mil milhões de euros com o propósito de travar o coronavírus, avança a Reuters. As celebrações do ano novo chinês, marcadas para o passado dia 25 de janeiro, foram canceladas mas o feriado nacional foi estendido, com o objetivo de manter as pessoas em casa e reduzir o número de infeções.

O coronavírus já reclamou a vida a 81 pessoas na China, com o número de pessoas infetadas a atingir a marca dos três mil.

O país mais populoso do mundo contínua parado. As autoridades de Xangai ordenaram que todos os negócios, à exceção dos hospitais, permanecessem encerrados até dia 10 de fevereiro. Esta medida foi adotada por várias outras províncias por toda a China que, mantém o estado de emergência e, aguardam por novos aconselhamentos.

No resto do mundo a situação está a ser acompanhada em grande detalhe, com avisos a serem emitidos em quase todos os continentes, a desaconselhar viagens para território chinês. Entretanto já foram confirmados 44 casos de pessoas infetadas pelo coronavírus fora da China, na Tailândia, Estados Unidos, Austrália, Singapura, Taiwan, Malásia, Coreia do Sul, França, Japão, Vietname, Nepal e Canadá.

Recomendadas

PremiumViseeon Portugal é a nova rede internacional de consultoria financeira

Portuguesa BTOC Consulting fundiu-se com a francesa Viseeon para criar em Portugal um modelo “inovador” de serviços de contabilidade, assente na tecnologia.

Lista portuguesa de paraísos fiscais “merecia uma revisão profunda”, alertam advogados

“Na medida em que contém, ainda, jurisdições que não constam da lista da UE, como é o caso de Hong Kong”, argumentam os fiscalistas da RFF & Associados.

Trabalhadores com aumento não perdem rendimento líquido por via do IRS, diz ministra

Sobre a portaria que pretende agilizar os procedimentos concursais, também em negociação com os sindicatos, a ministra Alexandra Leitão disse que as alterações vão conseguir encurtar os procedimentos comuns de recrutamento em cerca de quatro meses.
Comentários