Governo conta mais de sete mil incêndios nos primeiros oito meses de 2019

O Ministério da Administração Interna explicou que esses números representam menos 43% de incêndios rurais e menos 63% de área ardida, em comparação com os últimos 10 anos.

Um total de 7.192 incêndios foram contabilizados em Portugal entre 01 de janeiro e 15 de agosto de 2019, tendo resultado em 26.199 hectares de área ardida, anunciou hoje o Ministério da Administração Interna (MAI).

Em comunicado à imprensa, o MAI explicou que esses números representam menos 43% de incêndios rurais e menos 63% de área ardida, em comparação com os últimos 10 anos.

“O ano de 2019 apresenta, até ao dia 15 de agosto, o 2.º valor mais reduzido em número de incêndios e o 2.º valor mais reduzido de área ardida desde 2009”, lê-se no comunicado.

Para o MAI, “o comportamento dos portugueses em dias de perigo de incêndio rural tem contribuído para a obtenção destes resultados”.

Apesar disso, o Ministério continua a apelar à adoção de “medidas de prevenção e precaução na utilização do fogo em espaços rurais”.

Recomendadas

Comprimidos para sexo no topo de medicamentos apreendidos em Portugal

Dos oito medicamentos mais apreendidos em Portugal, sete deles são para o tratamento da disfunção erétil enquanto o outro serve para estimular o desejo sexual e a libido, sendo que todos estes produtos são fármacos ilegais por não terem autorização para o mercado português, avança o Jornal de Notícias.

Baixas para assistência aos filhos vão ser pagas a 100%

Em entrevista ao jornal “Público”, a ministra do Trabalho e da Segurança Social afirma que o Governo vai criar condições para os “jovens terem filhos mais cedo”. Todas as famílias com um segundo ou mais filhos até três anos de idade terão direito a um cheque para apoio da creche.

Reutilização de recursos em queda. Economia mundial é apenas 8,6% circular

A quantidade total de recursos que entra na economia global aumentou 8,4% em apenas dois anos. De acordo com o novo relatório da organização Circle Economy, que será apresentado em Davos, o consumo mundial de novos recursos traduz-se em 100 mil milhões de toneladas, um novo máximo histórico.
Comentários