Governo convoca reunião extraordinária de Concertação Social

De acordo com a convocatória enviada às confederações sindicais e patronais a pedido da Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, a ordem de trabalhos inclui a “preparação do Conselho Europeu dos dias 12 e 13 de dezembro” e a “discussão do acordo de médio prazo sobre competitividade e rendimentos”.

O Governo convocou os parceiros sociais para uma reunião extraordinária de Concertação Social, no dia 9 de dezembro, para preparar o próximo Conselho Europeu, que se realiza nos dias 12 e 13.

De acordo com a convocatória enviada às confederações sindicais e patronais a pedido da Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, a ordem de trabalhos inclui a “preparação do Conselho Europeu dos dias 12 e 13 de dezembro” e a “discussão do acordo de médio prazo sobre competitividade e rendimentos”.

A última reunião da Comissão Permanente de Concertação Social (CPCS) realizou-se na quarta-feira e ficou acordado que os parceiros sociais iriam enviar os seus contributos sobre competitividade e rendimentos até dia 4 de dezembro.

Recomendadas

Tribunal de Contas dá luz verde às contas da Presidência da República, deixa dois elogios e faz três recomendações

TdC elogia o empenho do Palácio de Belém na “prestação atempada das contas relativas ao ano económico de 2019, não obstante as exigências decorrentes da situação pandémica Covid-19”, mas deixa três recomendações para este ano.

Despesa corrente em saúde aumentou em 2018 e 2019, diz o INE

De acordo com os resultados da Conta Satélite da Saúde do INE, na base 2016, o crescimento nominal da despesa corrente em saúde nesses anos foi superior ao do PIB mais 1,3 pontos percentuais (p.p.).

CP “empurra” para despedimento 120 trabalhadores dos bares dos comboios, acusa federação dos sindicatos

A Federação dos Sindicatos da Agricultura. Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo (FESAHT) alerta que os 120 trabalhadores dos bares dos comboios da CP estão em risco de “serem vítimas de um despedimento colectivo”. Tudo porque, diz FESAHT, a empresa mantém a recusa da reabertura do serviço de refeições dos bares dos comboios Alfa Pendular e Intercidades.
Comentários