Governo da Madeira expropria terreno no valor de 108 mil euros para Novo Hospital

O conselho de governo decidiu ainda colocar em hasta pública seis bens imóveis no valor de 2,7 milhões de euros.

O Governo da Madeira decidiu, em conselho de governo, expropriar um terreno no valor de 108 mil euros com vista à construção do Novo Hospital.

O conselho de governo aprovou a venda de venda por Hasta Pública de seis bens imóveis, com um valor de 2,7 milhões de euros, e deu um aval positivo à assinatura de 22 contratos-programa de desenvolvimento desportivo (CPDD) do PRAD 2017/2018, no montante de 564 mil euros.

Foi ainda autorizado às entidades que fazem parte do sistema de educação e formação, no âmbito do Madeira 14-20, no âmbito do programa “Madeira 14-20”, um sistema de financiamento, que permite de sejam feitos adiantamentos no montante de 30% do financiamento público para cada um dos anos de financiamento aprovado.

Relacionadas

Albuquerque diz que a Madeira “não vai ceder a chantagens políticas” que bloqueiem o Novo Hospital

O presidente do Governo Regional disse que a Madeira nunca vai aceitar que Lisboa se apodere dos bens da Região Autónoma afirmando ainda que a autonomia nunca foi tão “descaradamente desrespeitada” como aconteceu com a proposta apresentada pelo governo central de financiamento do Novo Hospital.

Hospital Central da Madeira vai custar 27,4 milhões de euros já em 2019

Os custos previstos que a Madeira terá que suportar, em termos orçamentais, com o Hospital Central, já foram publicados em Jornal Oficial.
Recomendadas

Eletricidade. Desde 2009 que o valor da dívida tarifária não era tão baixo

A dívida vai afundar mil milhões em 2022, a maior descida registada desde 2008.

“Apoios de nove milhões foram cruciais para minimizar prejuízos”, revela presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto

“Esses apoios foram cruciais para, de alguma forma, minimizar aquilo que poderiam ser os prejuízos dos agricultores na venda das suas uvas”, revela Gilberto Igrejas. “Foram nove milhões de euros, na Região Demarcada do Douro, muito importantes para que o tecido produtivo não tivesse quebras superiores”, assegura o presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), na edição do podcast “Conversas com Norte” que irá para o ar na próxima segunda-feira.

CGTP considera medidas na proposta de OE2022 insuficientes

A intersindical reconhece o mérito do desdobramento dos escalões do IRS, mas considera esta medida “manifestamente insuficiente” e pede mais rasgo no combate ao “modelo de precariedade” que vigora em Portugal.
Comentários