Governo de Angola espera recessão de 1,7% em 2018

Ministro da Economia e Planeamento angolano referiu que depois de contrações de 2,6% e 0,1% em 2016 e 2017, respetivamente, a economia angolana deve ter aprofundado a queda no ano passado.

O ministro da Economia e Planeamento angolano, Pedro Luís da Fonseca, alertou que Angola deve ter tido uma recessão de 1,7% no ano passado, em linha com as novas previsões dos economistas consultados pela Bloomberg.

De acordo com a agência de notícias angolana Angop, o ministro disse na sexta-feira, em Benguela, na abertura de um seminário sobre as reformas do Governo, que depois de contrações de 2,6% e 0,1% em 2016 e 2017, respetivamente, a economia angolana deve ter aprofundado a queda no ano passado.

A realidade provou que o auge dos ganhos do crude e a predominância do setor público nas atividades da economia acabou e que, apesar de o Instituto Nacional de Estatística não ter ainda divulgado os números oficiais relativamente ao crescimento do Produto Interno Bruto do ano passado, os resultados não são os desejados, admitiu o governante.

Daí a necessidade de adotar um modelo económico que estimule mais atividades de mercado e mais iniciativa privada, conforme consta no Plano de Desenvolvimento Nacional, acrescentou Pedro Luís da Fonseca.

“O Governo tem estado a implementar reformas destinadas a reposicionar o papel do Estado no desenvolvimento económico, restringindo o seu papel às funções de coordenador, regulador e supervisor”, enfatizou o ministro.

A nova previsão de recessão de 1,7% em 2018 está em linha com a expectativa da Bloomberg, com base na recolha das estimativas dos departamentos económicos dos bancos e consultoras normalmente consultados por esta agência de informação financeira, que reviram em baixa a previsão de crescimento para 2018, de 1,5% positivos para 1,7% negativos.

Para este ano, os analistas ouvidos pela Bloomberg esperam um crescimento económico de 2,2%, que acelera para 2,5% em 2020, ao passo que a inflação deverá ficar nos 16,7% este ano.

Ler mais
Relacionadas

Moeda angolana encerra semana estável face a euro e dólar

Divisa angolana tem-se mantido relativamente estável há cerca de dois meses, oscilando entre os 353 e os 359 kwanzas.

Estado angolano põe travão a fundo no financiamento chinês

Instituições chinesas desembolsam este ano cerca de dois terços do valor de linhas de crédito externas em execução, mas os planos para o futuro são outros.

Santos Silva vai a Angola preparar visita de Marcelo Rebelo de Sousa

Presidente da República visita Angola entre 5 e 9 de março mas ministro da Defesa viaja para este país no final desta semana para preparar chegada de Marcelo.
Recomendadas

Partidos gastam quase 5 milhões de euros com as eleições europeias

Trata-se de um aumento de mais de 500 mil euros face aos 16 partidos e coligações que se apresentaram na corrida em 2014

CFP vai ao parlamento falar sobre Programa de Estabilidade 2019-2023

Nazaré Costa Cabral vai esta terça-feira à Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa falar sobre o Programa de Estabilidade 2019-2023, que o Governo apresentou em 15 de abril.

Portugueses estão a pedir mais empréstimos para pagar contas. Pedem em média 2.239 euros

Para pagar as suas contas, os portugueses estão a aumentar os empréstimos. Nos últimos seis meses pediram 2.239 euros, mais 400 euros face ao período homólogo. Estudo da Intrum conclui, tal como o Banco de Portugal, que o aumento foi suportado pelo crescimento dos créditos pessoais sem fins específicos.
Comentários