Governo de Cabo Verde diz que fim da licença restrita dos bancos não se deve ao Luanda Leaks

Há quatro bancos com autorização restrita a operar neste país africano: Montepio Geral, BFI, Banco Privado Internacional e Banco BIC.

Vicent West/Reuters

O primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, explicou que a decisão de acabar com bancos de licença restrita não está relacionada com o Luanda Leaks,a  investigação jornalística que envolve uma das instituições financeiras a laborar nessas condições em Cabo Verde.

Atualmente, operam em Cabo Verde quatro bancos com autorização restrita, designadamente o Montepio Geral, o Banco de Fomento Internacional (BFI) e o Banco Privado Internacional (BPI) e o Banco BIC, com participação da empresária angolana Isabel dos Santos.

Questionado sobre o assunto, à margem do encontro com os empresários da ilha de Santiago, Ulisses Correia e Silva adiantou que a medida já estava tomada há mais de um ano, estando esses bancos que operam apenas com não residentes em processo de transição para passarem a ser bancos de licença genérica.

“Esta medida já vem de 2018. Demos um período transitório para que as instituições financeiras se adaptassem. São poucas, não tem impacto sobre a economia e nem sobre o emprego e nos resolvemos alterar as regras no sentido de termos muito mais transparência no sistema financeiro e cumprindo as normas internacionais de regulação em relação aos quais temos compromissos”, esclareceu o chefe do Governo cabo-verdiano.

De acordo com informação prestada à agência Lusa pelo Banco de Cabo Verde, dois dos quatro bancos que operam em Cabo Verde com autorização restrita (Instituições de Crédito de Autorização Restrita — ICAR) solicitaram o alargamento da licença para utilização genérica (Instituições de Crédito de Autorização Genérica – ICAG).

O banco central cabo-verdiano, de acordo com a mesma fonte, não esclareceu quais os bancos que pediram o alargamento de licença, sendo que, conforme a garantia do Governo local, os que não forem convertidos em ICAG serão encerrados até final do ano.

O Banco BIC Cabo Verde, participado pela empresária angolana Isabel dos Santos e que está a ser inspecionado pelo banco central cabo-verdiano, apresentou lucros de mais de cinco milhões de euros em 2018, tendo apenas 12 trabalhadores.

Ler mais
Recomendadas

PremiumVenda do BNI Europa aguarda fecho das contas de 2019

Negócio deverá ficar fechado no primeiro trimestre de 2020. O banco apesenta contas anuais em março.

PremiumBCP quer reduzir malparado para 3 mil milhões em 2021

O BCP lucrou 302 milhões em 2019, à custa de mais-valias em dívida portuguesa. A redução do 1,3 mil milhões de NPE foi a boa notícia.

Banco de Portugal quer rever regras sobre governo e controlo interno de bancos

O supervisor vai rever as regras de governo e sistemas de controlo interno nos bancos, incluindo práticas remuneratórias, tendo até 23 de março em consulta pública dois projetos regulamentares.
Comentários