Governo deverá investir 100 milhões de euros no projeto-piloto de gestão florestal

Nas medidas de prevenção e de relançamento da economia elencadas no relatório elaborado pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), estão previstos 158 milhões de euros para a área da floresta.

O Governo disse hoje que deverá investir 100 milhões de euros para o projeto-piloto de gestão florestal do Pinhal Interior, afetado pelos incêndios, que deverá contar com uma candidatura ao Plano Juncker.

Segundo informa a Lusa, o Governo pretende candidatar o projeto para o Pinhal Interior ao Plano Juncker, fundo europeu para investimentos estratégicos. Durante a apresentação do relatório, que decorreu hoje na Câmara Municipal de Figueiró dos Vinhos,  Pedro Marques, ministro do Planeamento e das Infraestruturas, sublinhou que o mais importante é identificar “as espécies adequadas e as estruturas de ordenamento adequadas”.

O ministro frisou que é necessário “fazer um cadastro que não é feito em Portugal há décadas. É preciso identificar proprietários que não estão identificados há décadas. É preciso instrumentos legais que permitam avançar para a gestão florestal integrada mesmo dos territórios sem proprietário identificado”, notou o governante.

Para além do investimento de 158 milhões de euros, as medidas preveem ainda mais 125 milhões de euros para o relançamento da economia, dos quais 70 milhões para diversificação do investimento, 30 milhões para a valorização de recursos endógenos e 25 milhões para a dinamização do turismo.

O relatório aponta ainda para o investimento de 20 milhões de euros na área da prevenção e gestão de riscos, nomeadamente na resiliência do território e das comunidades, com a aplicação de medidas preventivas.

Na apresentação estiveram presentes sete Câmaras afetadas pelos incêndios: Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos, Castanheira de Pera, Penela, Sertã, Pampilhosa da Serra e Góis.

 

 

 

 

Relacionadas

Incêndios: Governo apresenta candidatura ao fundo de solidariedade da União Europeia

Fundo só pode ser acionado, no caso de catástrofes naturais regionais, se os prejuízos diretos atingirem o valor de 1,5% do PIB da Região Centro, o que equivale a cerca de 480 milhões de euros.

Incêndios: Governo estima prejuízos de quase 500 milhões de euros

Os incêndios que assolaram as regiões de Sertã, Góis, Pampilhosa da Serra, Penela, Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos e Pedrógão Grande causaram prejuízos avaliados pelo Governo em 497 milhões de euros.
Recomendadas

PRR serve “quem já está à mesa do Orçamento”, diz Viriato Soromenho-Marques

De acordo com o professor na Universidade de Lisboa, o Plano de Recuperação e Resiliência privilegia os grandes grupos económicos: “Essas pessoas não precisam de nenhum partido, já lá está o partido que lhes serve os interesses, já está instalado”.

Milhões da Europa começam a chegar este ano para o hidrogénio verde

O Plano de Recuperação e Resiliência vai começar a distribuir apoios já este ano e vai ser lançado um leilão para atribuir apoios. Várias empresas estão já a trabalhar para desenvolver um ‘cluster’ industrial de H2 verde de Sines.

Portugal terá a ganhar com acordo tributário global, diz ministro das Finanças

João Leão ressalva, contudo, ser “prematuro retirar consequências diretas para Portugal” deste compromisso, uma vez que este dependerá da forma como a criação de uma taxa mínima global sobre os lucros daquelas empresas e a atribuição de direitos fiscais aos países onde as empresas operam e não apenas onde estão sedeadas se irão articular e também de questões que precisam ainda de ser consensualizadas.
Comentários