Governo distribui 101 milhões de euros de fundos europeus para aumentar eficiência energética

O apoio faz parte de um total de 730 milhões de euros provenientes do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional e do Fundo de Coesão, que têm como destino a melhoria da eficiência energética.

O Governo anunciou esta quarta-feira, 9 de outubro, um total de 101 milhões de euros a serem distribuídos para aumentar a eficiência energética de empresas, administração local, habitação social e de Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS).

O gabinete da secretária de Estado do Desenvolvimento Regional e do gabinete do secretário de Estado da Energia são os responsáveis por entregar 24,5 milhões de euros a empresas, 32,5 milhões de euros para IPSS, 19 milhões de euros para os edifícios da administração local e 25 milhões de euros para os edifícios de habitação social, de um total de 101 milhões de euros de fundos europeus que foram lançados a concurso.

Este financiamento vai ser disponibilizado nos Programas Operacionais Regionais do Portugal 2020, sendo distribuído por todo o continente português. A zona norte vai receber 25 milhões de euros, o Centro vai receber 26 milhões de euros e Lisboa vai receber o maior montante, na ordem dos 33 milhões de euros. O Alentejo e o Algarve ficaram com as fatias mais pequenas, com 13 e 4 milhões de euros, respetivamente.

Este investimento total está enquadrado no Plano Nacional de Energia e Clima, o qual promove a descarbonização da economia e a transição energética tendo como base a neutralidade carbónica em 2050. O apoio faz parte de um total de 730 milhões de euros provenientes do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional e do Fundo de Coesão, que têm como destino a melhoria da eficiência energética.

No caso das empresas, estes apoios servem para a instalação de novas tecnologias eficientes, substituição de frotas com veículos elétricos ou a gás natural e a instalação de painéis solares ou outras fontes de energia renovável. “Nos edifícios públicos ou privados, podem destinar-se à instalação de isolamento térmico na envolvente de edifícios, à instalação de janelas com corte térmico ou a soluções de iluminação que impliquem poupança de energia”, sustenta o comunicado.

Recomendadas

Guerra comercial: Durão Barroso diz que na hora da escolha, Europa optaria pelos Estados Unidos

Antigo presidente da Comissão Europeia explicou que apesar do maior dinamismo da relação entre a União Europeia e a China, o peso da relação económica e geopolítica continua a pesar mais.

Novos sinais de trânsito chegam às estradas portuguesas em abril de 2020

Alterações ao regulamento de sinalização de trânsito, hoje publicadas em Diário da República, indicam que a partir de 1 de abril de 2020 não podem ser colocados sinais novos que não estejam de acordo com as normas agora aprovadas.

Redução do malparado poderia aumentar PIB per capita em 12 pontos percentuais em dez anos

Estudo estima que alterações ao nível da qualidade da regulação também permitiriam que Portugal tivesse um maior crescimento económico, de mais de sete p.p. em dez anos, enquanto alterações no sistema legal e combate à corrupção poderiam contribuir para um aumento de mais de três p.p. do PIB per capita ao fim de dez anos.
Comentários