Governo entrega hoje o Programa de Estabilidade com corte nas projeções do PIB e mais défice (com áudio)

O Executivo irá entregar ao Parlamento o documento que será discutido em plenário a 29 de abril e do qual constam as projeções para a economia portuguesa até 2025. Défice orçamental deverá fixar-se entre os 4,5% e 5% do PIB e a projeção de crescimento de 5,4% será revista em baixa em mais de um ponto percentual, sinalizou recentemente João Leão.

João Leão Discussão Oe 2021
Tiago Petinga/Lusa

O Governo irá entregar esta quinta-feira o Programa de Estabilidade na Assembleia da República, depois da discussão em Conselho de Ministros. O documento que será enviado por Bruxelas irá inscrever uma atualização do cenário macroeconómico devido aos efeitos do novo confinamento e das medidas de apoio à economia e ao emprego, numa altura em que a incerteza em torno da pandemia continua a dificultar as projeções das Finanças e da generalidade das instituições.

O Executivo irá entregar ao Parlamento o documento que será discutido em plenário a 29 de abril e do qual constam as projeções para a economia portuguesa até 2025.

O ministro das Finanças, João Leão, já sinalizou que o défice orçamental deverá fixar-se entre os 4,5% e 5% do Produto Interno Bruto (PIB), acima da previsão de 4,3% do PIB previstos no Orçamento para 2021 (OE2021), depois de em janeiro, do Terreiro do Paço, ter chegado a indicação de que “a segunda vaga da pandemia, mais intensa do que o esperado, e as medidas restritivas de confinamento associadas, com maiores apoios ao rendimento das famílias e às empresas, deverão conduzir a uma revisão em baixa do cenário macroeconómico e do saldo orçamental para 2021”.

As projeções do Governo para o saldo orçamental deverão, assim, fixar-se acima dos 4,1% previstos pelo Conselho das Finanças Públicas, próximo dos 5% projetados pelo Fundo Monetário Internacional, mas abaixo dos 6,3% previstos pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento (OCDE).

Também as projeções para o crescimento do PIB se fixarão abaixo dos 5,4% inscritos no OE2021. Segundo as declarações de João Leão à RTP3 no final de março, a revisão em baixa deverá ser em “mais de um ponto percentual”, tendo o governante salientando que a “revisão em baixa deste ano vai conduzir, como tem prevista uma recuperação muito forte da economia no segundo semestre, vai implicar que, quer a partir do segundo semestre, quer a partir de 2022, a economia cresça mais do que o esperado”.

A Comissão Europeia é atualmente a instituição mais otimista sobre o desempenho da economia nacional este ano, projetando um crescimento de 4,1%. No extremo oposto está a OCDE que vê o PIB português a expandir 1,7%, enquanto o Banco de Portugal (BdP) e o FMI alinham na projeção de 3,9% e o CFP vê a economia a crescer 3%. Já para 2022, o BdP prevê um crescimento de 5,2%, o CFP de 4,9%, o FMI de 4,8%, a Comissão Europeia de 4,3% e a OCDE de 1,9%.

Ler mais

Recomendadas

Notícias sobre a morte do carvão ainda são exageradas

O uso do carvão para a produção de eletricidade está a acabar em Portugal e em declínio no mundo ocidental, mas vai voltar a aumentar na Ásia.

Mais de metade das embalagens de pesticidas por recolher em 2020, alerta Zero

Mais de metade das embalagens de pesticidas ficaram por recolher em 2020, representando cerca de 480 toneladas, alertou este domingo a associação ambientalista Zero em comunicado.

Perdas de empresa de Luís Filipe Vieira custam 181 milhões de euros aos contribuintes

Entre julho de 2016 e até final de 2018, os créditos da Promovalor deram ao Novo Banco perdas de 181 milhões de euros, mas como estes créditos estavam abrangidos pelo Acordo de Capitalização Contingente (ACC), foram os contribuintes que tiveram de pagar ao NB.
Comentários