Governo formaliza benefícios fiscais em troca de investimentos de 68 milhões

Estes benefícios fiscais foram concedidos a quatro empresas por apresentarem um “particular interesse para a economia nacional”.

Com vista à criação de 610 novos postos de trabalho e à manutenção dos 1.591 existentes, o Governo formalizou hoje em Diário da República, os benefícios fiscais concedidos a quatro empresas por apresentarem um “particular interesse para a economia nacional”.

Os créditos a título de imposto sobre o IRC foram aprovados em conselho de ministros a 28 de novembro, com as empresas a realizarem investimentos de 68 milhões de euros.

As empresas que se comprometem a fazer os investimentos são a Panpor Produtos Alimentares, a Hutchinson Borrachas de Portugal, a Eurostyle Systems Portugal Indústria de Plásticos e de Borracha e a Bosch Termotecnologia.

“O investimento produtivo em Portugal, nos mais variados setores, nomeadamente na indústria transformadora, é essencial ao relançamento da economia”, conforme destaca o Governo.

Algumas das empresas selecionadas para receber estes benefícios fiscais têm especial importância no interior de Portugal, como é o caso da ‘Hutchinson Borrachas de Portugal’, que com uma das suas fábricas em Portalegre tenta amenizar os efeitos da desertificação ao ser uma das maiores fontes de emprego.

Recomendadas

Receita fiscal sobe para 47.408 milhões de euros

Em ano de excedente orçamental, o Governo espera receber mais 1.276 milhões de euros do que em 2019. As receitas do IVA continuam a representar a principal fatia dos 26.878 milhões de euros estimados para os impostos indirectos.

Orçamento com poucas alterações

Para as famílias portuguesas, e em matéria de IRS, a Proposta de Lei do OE 2020 não contempla alterações com um impacto significativo.

Jaime Esteves: “Dedução fiscal para jovens que saem de casa dos pais tem impacto pequeno”

O fiscalista Jaime Esteves defende que o agravamento sucessivo da tributação do alojamento local é um dos problemas da política fiscal e que Portugal pode matar a ‘galinha dos ovos de ouro’ da recuperação económica.
Comentários