Governo formaliza benefícios fiscais em troca de investimentos de 68 milhões

Estes benefícios fiscais foram concedidos a quatro empresas por apresentarem um “particular interesse para a economia nacional”.

Com vista à criação de 610 novos postos de trabalho e à manutenção dos 1.591 existentes, o Governo formalizou hoje em Diário da República, os benefícios fiscais concedidos a quatro empresas por apresentarem um “particular interesse para a economia nacional”.

Os créditos a título de imposto sobre o IRC foram aprovados em conselho de ministros a 28 de novembro, com as empresas a realizarem investimentos de 68 milhões de euros.

As empresas que se comprometem a fazer os investimentos são a Panpor Produtos Alimentares, a Hutchinson Borrachas de Portugal, a Eurostyle Systems Portugal Indústria de Plásticos e de Borracha e a Bosch Termotecnologia.

“O investimento produtivo em Portugal, nos mais variados setores, nomeadamente na indústria transformadora, é essencial ao relançamento da economia”, conforme destaca o Governo.

Algumas das empresas selecionadas para receber estes benefícios fiscais têm especial importância no interior de Portugal, como é o caso da ‘Hutchinson Borrachas de Portugal’, que com uma das suas fábricas em Portalegre tenta amenizar os efeitos da desertificação ao ser uma das maiores fontes de emprego.

Recomendadas

Corrupção: Angola melhora no ‘ranking’ da Transparência, “mas tem de fazer mais”

A organização não-governamental atribuiu 26 pontos a Angola, face aos 19 pontos de 2018, o que permitiu uma subida para o 146º lugar no ranking, do 165º no relatório anterior. Alertou, no entanto, que apesar de o país ter recuperado cinco mil milhões de dólares em ativos roubados, mais tem de ser feito para dar transparência nas contas do petróleo.

Governo avalia fim do fator de sustentabilidade para desempregados de longa duração

“Queria deixar nota que, relativamente aos desempregados de longa duração, somos também sensíveis a essa reivindicação e estamos a ponderar, a avaliar, a forma de concretizá-la, indo no mesmo sentido das profissões de desgaste rápido”, anunciou o secretário de Estado da Segurança Social.

Reabilitação urbana fechou 2019 com uma quebra de 1,8%

Esta é a primeira variação negativa registada nos últimos 27 meses, ou seja, desde setembro de 2017, destaca a AICCOPN.
Comentários