Governo formaliza benefícios fiscais em troca de investimentos de 68 milhões

Estes benefícios fiscais foram concedidos a quatro empresas por apresentarem um “particular interesse para a economia nacional”.

Com vista à criação de 610 novos postos de trabalho e à manutenção dos 1.591 existentes, o Governo formalizou hoje em Diário da República, os benefícios fiscais concedidos a quatro empresas por apresentarem um “particular interesse para a economia nacional”.

Os créditos a título de imposto sobre o IRC foram aprovados em conselho de ministros a 28 de novembro, com as empresas a realizarem investimentos de 68 milhões de euros.

As empresas que se comprometem a fazer os investimentos são a Panpor Produtos Alimentares, a Hutchinson Borrachas de Portugal, a Eurostyle Systems Portugal Indústria de Plásticos e de Borracha e a Bosch Termotecnologia.

“O investimento produtivo em Portugal, nos mais variados setores, nomeadamente na indústria transformadora, é essencial ao relançamento da economia”, conforme destaca o Governo.

Algumas das empresas selecionadas para receber estes benefícios fiscais têm especial importância no interior de Portugal, como é o caso da ‘Hutchinson Borrachas de Portugal’, que com uma das suas fábricas em Portalegre tenta amenizar os efeitos da desertificação ao ser uma das maiores fontes de emprego.

Recomendadas

Agricultura de precisão é o caminho de futuro

Sensores de rega gota a gota, utilização de GPS, crescente informatização dos processos produtivos e de logística são as tendências do setor da agricultura em Portugal. Conheça os desafios e os projetos.

Goldman Sachs prevê contração da economia norte-americana em 4,6% este ano

Os economistas do banco reviram em baixa as estimativas para a evolução do PIB dos Estados Unidos. No entanto, melhoraram as previsões para a taxa de desemprego.

CFP afasta cenário de recuperação económica rápida

Em entrevista à ‘Antena 1’ e ‘Jornal de Negócios’, Nazaré da Costa Cabral voltou ainda a falar sobre o Orçamento Suplementar:“Há aqui uma perspetiva de subestimação da queda do produto e de certas das suas componentes que podem comprometer a cobrança de receita fiscal”.
Comentários