Governo já pagou 3,4 mil milhões de euros em apoios sociais

Ana Mendes Godinho indica que este valor abrangeu um milhão de trabalhadores, acrescentando que o mês de fevereiro foi aquele que registou o número mais baixo de inscrições no IEFP desde o início da pandemia.

João Relvas/Lusa

O Governo português já pagou 3,4 mil milhões de euros em apoios sociais às empresas e que abrangeram um milhão de trabalhadores. O balanço dos apoios sociais foi feito pela ministra do Trabalho e da Segurança Social, Ana Mendes Godinho, esta sexta-feira, 2 de abril.

“O mês de fevereiro de 2021 foi o mais baixo no número de inscrições no Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEPF) desde fevereiro de 2020. As previsões que temos é de manter esta capacidade de controlar o desemprego, muito diferente daqueles que tivemos em crises anteriores, nomeadamente em 2012 e 2013, onde ultrapassamos os 16% da taxa de desemprego”, referiu.

A ministra revelou que 2,8 milhões de pessoas foram abrangidas pelos apoios pagos, enquanto as empresas foram 172 mil no âmbito de medidas de apoio ao emprego. “Temos tido a preocupação de responder a trabalhadores que ficaram sem qualquer nível de protecção do momento que vivemos. A dimensão da mobilização dos recursos públicos não tem precedentes na história”, frisou.

O subsídio de isolamento profilático já abrangeu 419 mil pessoas com pagamento a 100%, enquanto o complemento de estabilização chegou a 353 mil trabalhadores e os apoios aos trabalhadores independentes que chegaram a 187 mil trabalhadores.

“Com o Orçamento de Estado de 2021 procuramos reforçar os instrumentos que já tínhamos tido em vigor em 2020. A grande preocupação foi responder por um lado, aos rendimentos dos trabalhadores, onde tivemos um processo de diálogo com os partidos da assembleia. Tivemos um reforço do pagamento para garantir que os trabalhadores que estavam em lay-off simplificado ou apoio à retoma passassem a receber 100% em vez de uma parte do salário”, destacou Ana Mendes Godinho.

A ministra adiantou também que até ao momento cerca de um milhão de trabalhadores do sector privado foram abrangidos pelas medidas de apoio ao emprego, ou seja um em cada quatro trabalhadores deste sector em Portugal foram abrangidos, acrescentando que há 127 mil empresas abrangidas por estas medidas.

Relacionadas

Apoios sociais. “A querela” entre Governo e Presidente que todos os partidos criticam

O alargamento dos apoios sociais tem atraído grande atenção mediática e a decisão do Governo de enviar os diplomas para o TC levam alguns partidos a apontar uma “querela” entre Parlamento, Executivo e Presidente da República.

“É o direito que serve a política”. Marcelo encerra polémica sobre apoios sociais e deixa alerta ao Governo

Em declarações ao jornal “Expresso”, Marcelo Rebelo de Sousa diz que “é o direito que serve a política, não é a política que serve o direito” e que é preciso garantias de que a atual legislatura vai até ao fim. “O Plano de Recuperação implica garantir a aprovação de dois Orçamentos do Estado”, alerta.

Ferro considera “da maior importância” que Tribunal Constitucional se pronuncie sobre apoios sociais

O presidente do Parlamento pede ao Tribunal Constitucional que tome uma “decisão muito urgente” a fim de esclarecer se os diplomas promulgados pelo Presidente da República violam ou não a chamada “lei-travão”.
Recomendadas

PRR serve “quem já está à mesa do Orçamento”, diz Viriato Soromenho-Marques

De acordo com o professor na Universidade de Lisboa, o Plano de Recuperação e Resiliência privilegia os grandes grupos económicos: “Essas pessoas não precisam de nenhum partido, já lá está o partido que lhes serve os interesses, já está instalado”.

Milhões da Europa começam a chegar este ano para o hidrogénio verde

O Plano de Recuperação e Resiliência vai começar a distribuir apoios já este ano e vai ser lançado um leilão para atribuir apoios. Várias empresas estão já a trabalhar para desenvolver um ‘cluster’ industrial de H2 verde de Sines.

Portugal terá a ganhar com acordo tributário global, diz ministro das Finanças

João Leão ressalva, contudo, ser “prematuro retirar consequências diretas para Portugal” deste compromisso, uma vez que este dependerá da forma como a criação de uma taxa mínima global sobre os lucros daquelas empresas e a atribuição de direitos fiscais aos países onde as empresas operam e não apenas onde estão sedeadas se irão articular e também de questões que precisam ainda de ser consensualizadas.
Comentários