Governo lança linha de 10 milhões para contratações no setor social

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social disse hoje que o Governo vai lançar em julho uma linha de financiamento para a contratação de recursos humanos no setor social.

Ana Mendes Godinho, Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social | Lusa

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social disse hoje que o Governo vai lançar, em julho, uma linha de financiamento, no valor de 10 milhões de euros, para a contratação de recursos humanos no setor social. Segundo a ministra Ana Mendes Godinho, o novo programa, denominado Adaptar + Social, destina-se ao apoio à contratação de recursos humanos no setor social e à implementação de medidas de prevenção no âmbito da pandemia da Covid-19.

“Vamos ter uma linha chamada Adaptar + Social, que é exatamente para que as instituições possam implementar medidas de prevenção e aquisição de equipamentos de proteção individual, também para ajudar nesta próxima fase de prevenção”, disse hoje a ministra.

A governante falava aos jornalistas durante uma visita ao Centro Social Paroquial Mensagem de Fátima, em Pínzio, no concelho de Pinhel, distrito da Guarda, que gere um lar de idosos onde foram registados casos de utentes infetados com Covid-19, inserida numa deslocação a lares de idosos para fazer o balanço das várias medidas implementadas no âmbito da pandemia.

“Esta linha [Adaptar Mais Social], vai ser lançada já no início de julho, precisamente também para que as instituições se possam preparar e capacitar, para estarem bem preparadas e para reponderem a todas estas situações que têm tido”, declarou, indicando que “vai ter 10 milhões” de euros.

Ana Mendes Godinho disse que o Governo também vai lançar o programa PARES 3.0, “com 110 milhões [de euros] para todo o país”.

“[É um programa] para alargamento dos equipamentos sociais e ampliação das respostas sociais, para conseguirmos chegar a mais pessoas, num momento em que o setor social ganha cada vez mais importância na resposta às populações”, declarou.

A ministra referiu-se ainda ao lançamento do novo programa Radar Social, para apoio aos idosos e para reforço do serviço domiciliário”. As medidas inserem-se no âmbito do programa de estabilização económica e social lançado pelo Governo.

“Nós previmos, exatamente, o reforço muito grande do ponto de vista do setor social, quer de reforço dos acordos de cooperação do setor social para compensar os custos que [as instituições] têm tido com estas várias medidas que têm sido implementadas para proteger os idosos”, disse.

A ministra reconheceu ainda que foi feito “um trabalho extraordinário na proteção dos idosos” nos lares e o objetivo é manter a “capacidade de proteção das pessoas mais vulneráveis” durante a pandemia.

Ana Mendes Godinho, que estava acompanhada pela secretária de Estado da Ação Social, Rita Mendes, também visitou também hoje as Santas Casas da Misericórdia de Vila Nova de Foz Côa e de Gouveia, duas instituições do distrito da Guarda que possuem lares de idosos e registaram casos de utentes infetados com Covid

Ler mais
Recomendadas
Albino Almeida

Assembleias municipais reúnem em congresso com o foco na criação de comissões permanentes

Presidente da assembleia municipal de Vila Nova de Gaia e da Associação Nacional de Assembleias Municipais, Albino Almeida destaca que o segundo congresso da entidade, que decorre no sábado em Braga, irá debater “Os Novos Desafios do Poder Local”. Com a Covid-19 e as autárquicas de 2021 em pano de fundo, o dirigente realça a necessidade de preparar melhor os eleitos para os “parlamentos das autarquias”.

“Sabemos que as mudanças acontecem”. Marta Temido desvaloriza polémica com Jamila Madeira

“As remodelações fazem parte das dinâmicas dos Governos, quando se faz uma alteração procura-se afinal melhorar métodos de trabalho. Quando vim para esta pasta percebi o enorme respeito quem tem de se ter por quem ocupa estes cargos”, esclareceu a governante em conferência de imprensa.

EUA: Juiz federal bloqueia decisão de Trump contra correios

Depois do processo movido por 14 estados, um juiz federal de Washington decretou que as alterações à política dos correios norte-americanos colocam em risco o funcionamento adequado da instituição.
Comentários