Governo leiloa 262 MW de energia solar flutuante em sete barragens

Falando no Ministério do Ambiente e Ação Climática, João Galamba disse que no caso da barragem alentejana, o leilão, “a ser ganho por um único projeto, será o maior projeto de solar flutuante no mundo”.

Este projeto vai ter mais de 12 mil painéis solares fotovoltaicos e vai ter uma capacidade de produzir anualmente 7 gigawatts hora por ano.

O Governo vai leiloar a exploração de 262 megawatts (MW) de energia solar em sete barragens do país, dos quais 100 em Alqueva, o “maior projeto de solar flutuante no mundo”, segundo o secretário de Estado João Galamba.
“Neste leilão serão apenas colocados 262 MW em sete diferentes barragens: Alqueva, Castelo de Bode, Cabril, Alto Rabagão, Paradela, Salamonde e Tabuaço. As áreas ou capacidade disponível vão desde o mínimo de 8 MW na barragem de Salamonde até 100 MW na barragem de Alqueva”, disse hoje o secretário de Estado Adjunto e da Energia, João Galamba, numa conferência de apresentação em Lisboa.

Falando no Ministério do Ambiente e Ação Climática, João Galamba disse que no caso da barragem alentejana, o leilão, “a ser ganho por um único projeto, será o maior projeto de solar flutuante no mundo”.

Centrais solares flutuantes vão gerar investimentos acima de 200 milhões

Na região hidrográfica do Tejo, serão leiloados 50 MW em Castelo de Bode e 33 MW no Cabril, e na região Norte serão leiloados 42 MW no Alto Rabagão, 17 em Vilar-Tabuaço, 13 MW em Paradela e 8 em Salamonde.

O governante acrescentou ainda que a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) “identificou cerca de 700 hectares nas bacias já estudadas”.

“Não iremos colocar a leilão esses 700 hectares, pela simples razão que não temos ainda hoje a capacidade disponível para toda essa área já pré-definida pela APA”, referiu.

João Galamba afirmou também que o Governo já pediu à REN – Redes Energéticas Nacionais “que nos seus planos de infraestruturas, o PDIRT-E, inclua os reforços de rede necessários para aproveitar plenamente as áreas já previamente identificadas pela APA”.

“Assim podemos lançar um conjunto de leilões com um calendário estável que pretendemos lançar até 2024 e 2025”, adiantou.

“Iremos lançar uma sucessão de leilões onde iremos pelo menos aproveitar esses 700 hectares já identificados. Ficaram de ser avaliadas outras barragens. Iremos fazê-lo futuramente”, disse João Galamba.

O governante disse ainda que este tipo de estruturas “tem vantagens do ponto de vista energético e ambiental”, tanto por “não ocupar território potencialmente valioso noutras áreas”, como por “devido ao maior controlo de temperatura” na água, “tem ganhos de eficiência signficiativos”.

Segundo João Galamba, foi pedido à APA que “identificasse as áreas salvaguardando um conjunto de usos e de temas que se prendem sobretudo com o combate aos incêndios”.

“Portugal tem um conjunto muito signficativo de barragens e de espelhos de água que podem ser aproveitados para produção de energia elétrica”, referiu.

Presente na sessão, o vice-presidente da APA, José Carlos Pimenta Machado, explicou que nos territórios das barragens “a massa de água é pública, o leito e as margens são privadas”, o que permite a realização dos leilões de forma aberta.

Relacionadas

Centrais solares flutuantes vão gerar investimentos acima de 200 milhões

O concurso para a atribuição de mais de 360 megawatts arranca hoje. A maior central flutuante (200 megawatts) vai ficar localizada na albufeira do Alqueva, no Alentejo.
Recomendadas

AHRESP apela ao Governo que promova redução do endividamento das empresas

Um dos pedidos da AHRESP ao Governo passa por disponibilizar “20% de todo o financiamento concedido no âmbito das linhas de crédito Covid-19” em “fundo perdido”. 

Sodexo reembolsa mais de 325 mil euros em cartão refeição com IVAucher

A Sodexo Portugal é a única empresa de benefícios extrassalariais aderente ao programa IVAucher.

NOS e Vodafone com possibilidade de trabalho remoto total a partir de dezembro

A operadora de telecomunicações Nos “cumprirá integralmente a recomendação de teletrabalho obrigatório, para todas as funções em que tal seja possível, na semana de 02 a 09 de janeiro de 2022”.
Comentários