Governo português “não perdeu o interesse” no cabo submarino para Marrocos

O Governo mantém o interesse na construção de um cabo submarino para transportar eletricidade entre Portugal e Marrocos, embora os prazos tenham sido ultrapassados devido a hesitações do lado marroquino, afirmou o ministro do Ambiente e da Ação Climática.

Em entrevista à agência Lusa, questionado sobre o ponto de situação da proposta apresentada em 2016, João Pedro Matos Fernandes garantiu que “o Estado português não perdeu o interesse nesse projeto”.

O cabo submarino para ligar o Algarve ao norte de África tem um custo estimado de 600 a 700 milhões de euros e, para a sua construção, foi promovido um estudo técnico-económico pela REN – Redes Energéticas Nacionais e a sua homóloga marroquina, que devia ter sido apresentado no início de 2019, mas cujas conclusões não são ainda conhecidas.

O Jornal Económico avançou, em 24 de maio, que, segundo fonte oficial da REN, o “tema tem sido analisado, poderá fazer sentido em algumas circunstâncias, mas neste momento não está prevista a sua execução”.

O ministro do Ambiente disse à Lusa que o estudo está a ser concluído e que “não é do lado português que a coisa tem andado devagar”.

“É um facto que os prazos já foram ultrapassados, mas nós temos feito tudo direitinho. Tem havido do lado de Marrocos algumas hesitações, mas o estudo vai avançando”, afirmou o governante, não arriscando, porém, adiantar uma nova data para a sua conclusão.

Matos Fernandes sublinhou a relevância das interligações, num mundo que utilizará cada vez mais fontes renováveis para a produção de eletricidade.

“Sabemos bem a importância que a armazenagem tem e, por isso, também a importância dos gases renováveis, mas não só, das baterias a lítio, para provocar essa mesma armazenagem, mas queremos fomentar o maior número de interligações possíveis e a partir de Portugal é fácil perceber que são a Espanha ou a Marrocos”, acrescentou.

Relacionadas

Matos Fernandes: fragmentação do H2Sines vai fazer “com que surjam mais projetos”

 O ministro do Ambiente desvaloriza a fragmentação do consórcio H2Sines, que reunia a EDP, Galp, Martifer, Vestas e REN, com o objetivo de implementar um ‘cluster’ de produção de hidrogénio verde, considerando que vai fazer “com que surjam mais projetos”.

Acionistas da central do Pego perderam direito ao ponto de injeção na rede, diz Governo

O ministro do Ambiente e da Ação Climática considera que os acionistas da central a carvão do Pego, em Abrantes, perderam o direito ao ponto de injeção à rede elétrica, que será atribuído por concurso público.

“Os recursos minerais não são de nenhum município, são do país todo”, diz ministro do Ambiente

O ministro do Ambiente considera que os “recursos minerais não são de nenhum município”, embora a nova lei das minas lhes dê poder de chumbar a maioria das propostas para exploração mineira, exceto as de interesse nacional, como o lítio.
Recomendadas

APA: Estado não concedeu qualquer novo direito na venda de barragens da EDP

Num esclarecimento a uma nota elaborada pelo BE, em que o partido apresenta conclusões sobre o negócio da venda de seis barragens pela EDP à Engie, a Agência Portuguesa do Ambiente refuta “por completo” a afirmação do partido de que o Estado tenha atribuído um novo direito ao concessionário das barragens, que não estava previsto.

Metade dos consumidores portugueses já compram produtos sustentáveis, revela estudo

Apesar do impacto da pandemia de Covid-19, 72% dos portugueses estão otimistas e acreditam que as empresas irão acelerar as medidas para a transição ecológica. Esta opinião é reforçada pelo facto de 80% de cidadãos considerarem que a pandemia acelerou a urgência destas medidas para evitar uma futura crise ambiental que poderá ter efeitos similares.

Sustentabilidade: presidente da APA sugere dia de teletrabalho semanal para limitar emissões de veículos

Nuno Lacasta participou na conferência Building a Connected Green Future, promovida pelo Jornal Económico e pela Huawei, está integrada na EU Green Week 2021, que será retransmitida através da plataforma multimédia JE TV, esta segunda-feira, 14 de junho, às 11h00.
Comentários