Governo prefere diálogo à expulsão. Diplomatas russos a salvo em Portugal

“Portugal acredita que a concertação no quadro da União Europeia é o instrumento mais eficaz para responder à gravidade da situação presente”, lê-se na nota enviada à comunicação social pelo gabinete dos Negócios Estrangeiros.

O Estado português prefere acreditar que a “concertação no quadro da União Europeia é o instrumento mais eficaz” para responder ao envenenamento com gás tóxico do ex-espião russo Serguei Skripal no Reino Unido.

Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu, anunciou esta segunda-feira que 14 Estados-membros da União Europeia (UE) decidiram expulsar diplomatas russos em resposta ao caso de Skripal. Portugal, por sua vez, através de um comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros fez saber que não alinha na expulsão conjunta de diplomatas russos e, por isso, não vai afastar ninguém.

Embora tenha condenado – “de imediato” – o atentado de Salisbury, “Portugal acredita que a concertação no quadro da União Europeia é o instrumento mais eficaz para responder à gravidade da situação presente”, lê-se na nota enviada à comunicação social pelo gabinete dos Negócios Estrangeiros.

O Governo “expressou com veemência a sua solidariedade com o Reino Unido”, acrescenta o comunicado.

E “além da intervenção em instâncias internacionais como a NATO e a OSCE, participou nos debates ocorridos no Conselho Europeu e no Conselho de Negócios Estrangeiros, de que resultou, designadamente, a decisão de a União Europeia chamar para consultas o seu embaixador em Moscovo”. Uma decisão apoiada pelo Estado português e que resume a postura de diálogo que o Governo prefere levar face à Rússia.

 

Ler mais
Relacionadas

Rússia contra-ataca: resposta à expulsão de diplomatas será “recíproca” e decidida por Putin

“Temos de analisar a situação. O ministério dos Negócios Estrangeiros fará a sua análise e vão ser apresentadas propostas ao Presidente sobre as medidas de resposta. A decisão definitiva será adotada pelo chefe de Estado”, disse aos jornalistas o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.
Recomendadas

Covid-19: Tratamento com ibuprofeno para pacientes infetados começa a ser testado

Estudos em animais sugerem que o ibuprofeno pode tratar a síndrome de desconforto respiratório agudo – uma das complicações graves do novo coronavírus. Os cientistas esperam que o tratamento de baixo custo possa manter os pacientes longe dos ventiladores, evitando uma possível sobrecarga nos sistemas nacionais de saúde.

Wuhan investe 113 milhões de euros em campanha de testes à Covid em toda a cidade

A cidade de Wuhan identificou 300 pessoas com Covid-19 mas como era assintomáticas não as registou como casos confirmados da doença.

Alemanha levanta restrições de viagem para Portugal e maioria dos países europeus a partir de 15 de junho

Governo de Angela Merkel quer que países cumpram diretrizes suas para permitir as viagens sem restrições, e vai desaconselhar viagens para o Reino Unido devido à quarentena obrigatória de 14 dias. Berlim e Lisboa estão em “discussões adiantadas” para criar corredor aéreo turístico entre os dois países, disse o Governo português na terça-feira.
Comentários