Governo quer que pais com filhos até oito anos possam ficar em teletrabalho (com áudio)

Governo apresentou esta proposta aos parceiros sociais, segundo a “TSF”. Outra proposta prevê que avós, tios e irmãos também possam receber, em certos casos, a licença parental e subsídio que até agora estava reservada ao pais.

O Governo quer que pais e mães com filhos até oito anos tenham o direito a ficar em teletrabalho se for compatível com as suas funções, revela hoje a “TSF”. Ao mesmo tempo, também quer que avós, tios e irmãos também possam receber, em certos casos, a licença parental e subsídio que até agora estava reservada ao pai e à mãe, no caso de “impossibilidade por impedimentos de força maior demonstrados dos progenitores”.

Estas duas propostas foram entregues pelo ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social aos parceiros sociais (sindicatos e confederações patronais) na sequência da discussão do Livro Verde sobre o Futuro do Trabalho.

O documento também inclui um ponto em que defende que as licenças de parentalidade devem ser alvo de “aperfeiçoamento” para promover a “igualdade entre mulheres e homens”, promovendo-se um reforço dos incentivos à partilha entre pais e mães das licenças, majorando os subsídios, segundo a “TSF”.

 

Recomendadas

Mercado de duas rodas, triciclos e quadriciclos cresce 20% até julho

De janeiro a julho de 2021, registaram-se em Portugal 22.894 novos veículos matriculados. O mercado de motociclos é o que regista o maior número de novos veículos matriculados: 21.202 unidades, de acordo com a ACAP.

Governo duplica apoio do programa Apoiar para bares e discotecas

O programa Apoiar foi prolongado na mais recente portaria até 31 de dezembro de 2021. Em caso de quebra na faturação for de 25 a 50% o limite máximo é majorado em 27.500 euros para microempresas e em 67.500 para pequenas e médias empresas.

“Vamos a isto!”. João Leão garante que Governo está motivado para executar PRR “de forma célere” (com áudio)

Após a chegada do primeiro cheque de 2,2 mil milhões a Portugal, o ministro das Finanças garante que o Governo vai executar o PRR “de forma célere”, sublinhando que o plano “dará um relevante contributo para melhorar a vida de todos e de cada um dos portugueses”.
Comentários