Governo trava exploração de petróleo no Algarve

O governo confirmou que vai rescindir os contratos com a empresa Portfuel para pesquisa, desenvolvimento e produção de petróleo on-shore (em terra) nas áreas designadas por Aljezur e Tavira, avança o DN na edição de hoje. O executivo adiantou também que deu já início ao processo de rescisão e execução das garantias bancárias no caso […]

O governo confirmou que vai rescindir os contratos com a empresa Portfuel para pesquisa, desenvolvimento e produção de petróleo on-shore (em terra) nas áreas designadas por Aljezur e Tavira, avança o DN na edição de hoje.

O executivo adiantou também que deu já início ao processo de rescisão e execução das garantias bancárias no caso do consórcio que reúne Repsol e Partex e que previa a prospeção, pesquisa, desenvolvimento e produção de petróleo na bacia do Algarve.

Ainda no mês passado o secretário de Estado de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches, afirmou estar “atento a todos os contratos”, tendo confirmado o pedido de esclarecimentos à PGR, no sentido de tomar a decisão “que melhor defenda o interesse público”.

O contrato, assinado em setembro de 2015, foi amplamente contestado, quer pela população quer pelos autarcas da região, mas Sousa Cintra sempre garantiu ter cumprido “com todo o rigor” tudo quanto o contrato exigia e não entender o “ruído e confusão” à volta de um projeto “que pode valer muito a pena para o país”.

Na origem da decisão sobre a Portfuel está, segundo o DN, o parecer pedido pelo Governo à Procuradoria-Geral da República (PGR) que veio confirmar – ainda que com argumentos distintos do executivo, que alegava falta de experiência da empresa de Sousa Cintra por ter menos de três anos de atividade neste negócio – “haver justificação para a rescisão”.

No parecer, a PGR considera que “há de facto incumprimento inequívoco” da Portfuel, “na medida em que a empresa não apresentou prova de constituição e manutenção do seguro de responsabilidade civil a que estava obrigada”.

“Sobra assim apenas o contrato que dá à Galp e à ENI Portugal direitos de prospeção, pesquisa, desenvolvimento e produção de petróleo nas áreas denominadas Lavagante, Santola e Gamba, na Bacia do Alentejo”, escreve ainda o DN.

 

Ler mais
Relacionadas

Sousa Cintra: “Deve haver algum equívoco” sobre o travão à exploração de petróleo no Algarve

O presidente da Portfuel mostrou-se hoje surpreendido com a intenção do Governo em rescindir os contratos para prospeção e exploração de petróleo no Algarve.
Recomendadas

CGD com “insuficiências” na análise de risco na concessão de crédito

Entre 2008 e 2013, o volume de créditos em incumprimento na CGD aumentou exponencialmente, de 1,5 mil milhões para 5,2 mil milhões, com os rácios a passarem de 2,3% para 7,5% respetivamente, segundo a auditoria. As imparidades, por sua vez, passaram de 3,2 mil milhões para 5,3 mil milhões de euros.

Inquérito/Energia: Vieira da Silva delegou em Zorrinho mas subscreve decisões

Vieira da Silva disse ainda “não ter dúvidas” de que “estrategicamente, teria sido vantajoso permanência do Estado na REN”, e adianta que “várias das medidas que o governo teve de tomar foram decididas num quadro de emergência.

Intervenção do Estado nas decisões da CGD teve “influência adversa”

A EY identificou, sobretudo, três situações originadas pelas estratégias definidas por sucessivos governos.
Comentários