PremiumGoverno vai alargar regime de não residentes a nómadas digitais

Medida deverá ser sinalizada na proposta do OE2022 e passa por alargar as atividades previstas no estatuto do RNH a outras atividades de trabalho remoto e de inovação tecnológica que poderão ser também tributadas a uma taxa especial de IRS. Fiscalistas aplaudem.

O Executivo prepara-se para alargar o Regime de Residentes Não Habituais (RNH) em sede de IRS aos nómadas digitais, ampliando as atividades abrangidas por este regime a outras atividades de trabalho à distância e de inovação tecnológica que poderão também ser tributadas a uma taxa fixa de IRS de 20% sobre os rendimentos do trabalho auferidos em Portugal. O novo enquadramento fiscal dos trabalhadores remotos que aumentaram durante a pandemia deverá constar da proposta do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) e visa atrair profissionais nas áreas técnica, científica ou artística, noutras geografias, os chamados nómadas digitais, podendo passar a abranger atividades como consultores, programadores, especialistas em cibersegurança e outras ligadas a I&D. Fiscalistas ouvidos pelo JE aplaudem a medida.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

PremiumMais-valias especulativas taxadas acima do último escalão de IRS

Medida pode incidir sobre contribuintes com mais de 80.882 euros de rendimento coletável, que estão no último escalão de IRS.
Recomendadas

Governo anuncia recrutamento de 200 trabalhadores para reforçar Autoridade Tributária

Autorização foi dada esta semana pelo ministro das Finanças. João Leão, e revelada esta terça-feira, pelo secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes.

Rob McCargow: “A literacia digital passou a ser obrigatória nas administrações”

O diretor de Inteligência Artificial da consultora PwC United Kingdom defende que as empresas têm um papel a desempenhar no enquadramento do desenvolvimento da inteligência artificial, em vez de ficarem à espera de governos e reguladores, mas que os decisores têm de ter maior conhecimento sobre tecnologia.

Madeira: Governo Regional vai investir 136 milhões de euros na habitação a custos controlados

O CDS considera o investimento na habitação por parte do Executivo madeirense como uma medida crucial para responder à “dificuldade” das famílias e sobretudo dos casais mais jovens, em encontrar habitação quando os preços do mercado e as rendas são “muito elevados” atualmente.
Comentários