Governo vai financiar até 40 milhões de euros projetos de hidrogénio verde

João Galamba representou Portugal na cerimónia do anúncio da nova Aliança Europeia de Hidrogénio Verde, na Comissão Europeia. O secretário de Estado considera que o país “será um elemento essencial para impulsionar o amplo uso de hidrogénio”

O secretário de Estado da Energia considera que Portugal apresenta “condições únicas” com os “recursos certos” e “alta competitividade” para liderar a transição energética na Europa e para produzir hidrogénio verde na Europa.

“Portugal vai ter um papel ativo dentro desta Aliança, será um elemento essencial para impulsionar o amplo uso de hidrogénio”, sublinhou João Galamba, em comunicado, anunciado que o Governo vai disponibilizar até 40 milhões de euros até 2030 para financiar projetos no âmbito do hidrogénio verde, sendo que a intenção é que se repitam concursos neste valor todos os anos até 2030.

“Queremos produzir largas quantidades de hidrogénio verde, queremos produzi-las competitivamente, e queremos ter um papel relevante na economia emergente do hidrogénio alinhada com uma estratégia de industrialização”, afirmou o secretário de Estado.

Além disto, Galamba avançou que espera ter o quadro regulatório e legal que permite a produção, armazenamento, transferência, distribuição e consumo de hidrogénio antes do fim do mês de agosto.

As declarações surgem depois de Bruxelas anunciar uma nova estratégia que visa impulsionar o recurso a este elemento químico. A Comissão Europeia (CE)  apresentou, esta quarta-feira, uma estratégia para o hidrogénio no quadro de uma Europa neutra em carbono e as perspetivas são ambiciosas: ter até 40 gigawatts (GW) de capacidade de produção até 2030.

O plano de Bruxelas prevê até 2024 a instalação de pelo menos 6 GW em eletrolisadores na União Europeia, que produzirão até um milhão de toneladas de hidrogénio renovável. Este combustível limpo terá como principal cliente a indústria, nomeadamente as empresas químicas, que assim deixarão de precisar de combustível fóssil para produzir o hidrogénio de que necessitam nos seus processos industriais.

Para criar as condições para o aumento da procura, a Comissão também lançou também uma nova Aliança Europeia para o Hidrogénio Limpo, onde se vão juntar as autoridades nacionais, os representantes da indústria e da sociedade civil e o sector financeiro (através do Banco Europeu de Investimento). A ideia é que esta aliança permita avaliar os melhores projectos e identificar as oportunidades de investimento.

O secretário de Estado olha para a proposta da CE e considera-a igualar o Estratégia Nacional de Hidrogénio — que prevê instalar 2 GW de eletrolisadores que contribuirão para 5% desse mercado — e o “histórico robusto” de Portugal na preferência pelas energias renováveis.

Para além disso, relembra o projeto da reconversão da central termoeléctrica de Sines numa nova unidade de produção de hidrogénio verde, uma iniciativa que fez de Portugal um pioneiro entre os restantes Estados-membros que também integram na nova Aliança Europeia para o Hidrogénio Limpo.

Ler mais
Relacionadas

Hidrogénio vai acelerar transição energética na União Europeia. Estratégia de Portugal é “um bom exemplo”

As duas novas estratégias do Pacto Ecológico Europeu refletem-se num novo programa de investimento em hidrogénio e em infraestruturas mais ‘verdes’. O vice-presidente executivo da Comissão Europeia olha para a reconversão da central termoelétrica de Sines como um exemplo a seguir.

Hidrogénio verde: Abertas candidaturas para projetos complementares à central planeada para Sines

O Governo abriu as candidaturas para empresas apresentarem os seus projetos que possam servir de complemento à central de hidrogénio verde planeada para Sines.

Ministro do Ambiente: “É o momento de preparar um choque de investimentos sustentáveis”

Celebra-se esta sexta-feira o Dia Mundial do Ambiente. O Governo garantiu, no parlamento, que a estratégia nacional está em linha com as prioridades de Bruxelas.
Recomendadas

Zero pede suspensão de novas centrais de biomassa

A associação pede que “qualquer intenção de instalação de novas centrais de biomassa seja de imediato suspensa”, defendendo que primeiro tem que se avaliado de forma séria “qual o potencial de biomassa florestal residual existente” e o que é que é atualmente utilizado por diferentes setores da indústria.

“Descartável voltou a invadir as nossas vidas”, lamenta ministro do Ambiente

“O descartável voltou a invadir as nossas vidas”, apontou o ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, que participava, esta tarde, num debate no âmbito do Visão Fest Verde, juntamente com o deputado do Bloco de Esquerda (BE) José Manuel Pureza e o advogado e antigo secretário de Estado do Ambiente José Eduardo Martins.

Nova política agrícola comum “alimenta a destruição ecológica”, acusa Greta Thunberg

“Onze meses após o Parlamento Europeu declarar o estado de emergência climática, o mesmo parlamento votou numa política agrícola que – em suma – alimenta a destruição ecológica com quase 400 mil milhões de euros”, acusou Greta Thunberg, numa mensagem assinada também pelos ativistas ambientais Luisa Neubauer, Adélaïde Charlier, Camille Etienne e Anuna van der Heyden.
Comentários