CGD: Governo vai relançar processo de venda da Caixa Brasil quando estiverem “reunidas as condições”

Depois de rejeitar as propostas apresentadas pelo banco da CGD no Brasil, o Executivo diz que vai retomar o processo quando considerar que houver condições para tal.

Rafael Marchante/Reuters

O Governo diz que vai voltar a lançar o processo de venda do banco da Caixa Geral de Depósitos no Brasil quando considerar que existem condições para relançar a operação.

“Determinar o relançamento, por parte da CGD, do processo de alienação das ações representativas da totalidade do capital social da sociedade Banco Caixa Geral – Brasil, S. A., quando estejam reunidas as condições de mercado, tendo em conta o atual contexto epidemiológico, em termos e condições a definir”, pode-se ler na resolução do Conselho de Ministros publicada hoje em Diário da República, referente à medida aprovada na passada sexta-feira.

O Governo decidiu no dia 15 de maio “determinar, tendo por base a apreciação do relatório apresentado pela Caixa Geral de Depósitos que não estão reunidas as condições para que qualquer das propostas apresentadas possa ser aceite, não se encontrando suficientemente garantida, à luz do interesse público, a concretização dos objetivos subjacentes ao processo de alienação”.

O Banco Luso-Brasileiro, do grupo Amorim, o Banco ABC Brasil e o fundo Artesia eram os três candidatos à compra do banco brasileiro da Caixa, conforme escreveu o Jornal Económico a 15 de maio.

Na resolução, pode-se ler que “após a análise do relatório apresentado pela CGD com a apreciação dos proponentes e das respetivas propostas vinculativas”, o Governo entendeu “acompanhar a recomendação da CGD e a respetiva fundamentação no sentido de não se encontrarem reunidas as condições para a aceitação de qualquer das propostas vinculativas apresentadas, considerando que nenhuma delas salvaguarda de modo adequado e permanente os interesses patrimoniais da CGD e a concretização dos objetivos subjacentes ao processo de alienação”.

O Conselho de Ministros também entendeu “colocar à disposição do Tribunal de Contas todos os elementos informativos respeitantes ao presente processo”, de forma a “reforçar a absoluta transparência e concorrência do processo de alienação”.

Governo põe venda do banco da CGD no Brasil na estaca zero

Ler mais
Relacionadas

Governo põe venda do banco da CGD no Brasil na estaca zero

O Banco Luso-Brasileiro, do grupo Amorim, o Banco ABC Brasil e o fundo Artesia eram os três candidatos à compra do banco brasileiro da Caixa, mas as propostas não agradaram à administração liderada por Paulo Macedo e hoje o Governo formalizou a rejeição das propostas.
Recomendadas

Portugal em 7º lugar no indicador global de literacia financeira, segundo a OCDE

Portugal, através do Ministério da Educação, participou pela primeira vez, em 2018, no exercício de avaliação de literacia financeira do Programme for International Student Assessment (PISA), cujos resultados foram divulgados no passado dia 7 de maio.

Covid põe cheques e levantamentos em dinheiro em mínimo de 20 anos. Compras com cartões em mínimo de 11 anos

Em abril, a redução do uso de cheques rondou os 45% em número e 48% em montante, face ao período homólogo, e as operações com cartões recuaram  42,9% em número e 28,8% em valor. A pandemia trouxe ainda o aumento dos pagamentos contactless e uma quebra dos levantamentos em dinheiro.

Imparidades do Novo Banco desaceleraram depois da venda à Lone Star

O Novo Banco constituiu menos novas imparidades depois da venda à Lone Star. O ano em que o banco constituiu maior volume de imparidades foi em 2017, ano da venda ao fundo norte-americano.
Comentários