Governo vai suspender apoio ao investimento em olival no Alqueva

O ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, considera que as implicações do olival têm sido “distorcidas” pela opinião pública e não têm as pressões ambientais que lhe são atribuídas.

O ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos (E), acompanhado pelos secretários de Estados, da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira (E), e das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Miguel João de Freitas (D), intervém durante a sua audição perante a Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, durante a sua audição perante a Comissão, no âmbito das audiências sobre o Orçamento do Estado (OE) para 2018, na Assembleia da República, em Lisboa, 14 de novembro de 2017. JOÃO RELVAS/LUSA

O Governo anunciou esta quarta-feira que vai suspender apoio ao investimento em olival na região do Alqueva e delimitar as manchas contínuas para proteção da biodiversidade. O ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, considera que as implicações do olival têm sido “distorcidas” pela opinião pública e não têm as pressões ambientais que lhe são atribuídas.

“Determinei, no atual quadro comunitário de apoio, que não haverá no perímetro de Alqueva mais apoios ao investimento para a instalação de olivais e de agro-industrias associadas ao olival, porque temos capacidade de laboração suficiente”, afirmou o ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, no debate marcado de urgência pelo Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV), com o tema “travar as culturas intensivas e superintensivas”.

O governante anunciou também que vai encomendar um estudo sobre o impacto da continuidade da mancha de olival, visando a “proteção da biodiversidade”. Ainda assim, o ministro da Agricultura lembra que o olival português exporta atualmente para alguns dos “mercados mais exigente do mundo” e está sujeito a controlo rigoroso, em matéria de qualidade.

Luís Capoulas Santos disse ainda, sobre culturas intensivas e superintensivas, que “o olival ou olival em sebe não promove mais as pressões ambientais do que qualquer outra cultura de regadio, até pelo contrário”. “Os indicadores mostram que [as culturas de olival] são menos consumidoras de água e têm menos impacto negativo no solo”, afirmou.

“[As distorções da opinião pública] põe em causa uma atividade económica de grande relevância para o país e que contribui para esta região”, sublinha Luís Capoulas Santos.

O olival intensivo encontra-se sobretudo no Alentejo. Segundo dados do Ministério da Agricultura, o olival em sede – que veio aumentar significativamente a rentabilidade e trazer uma menor dependência de mão-de-obra – corresponde 20 mil hectares em todo o país, o que se traduz a “menos de 1% do olival nacional”.

Ler mais
Recomendadas

Lei laboral: Quais são as principais alterações em causa?

Acordo entre a direita e o PS viabilizou em julho as alterações ao Código do Trabalho. Turbulência no namoro da geringonça deriva principalmente da discordância quanto ao alargamento do período experimental. Saiba o que está em causa.

Governo considera que não existem motivos para PCP e Bloco pedirem a fiscalização da lei laboral

O ministro do Trabalho defende que não há razões para os parceiros da geringonça pedirem ao Constitucional para avaliar as alterações ao Código do Trabalho.

Lei laboral: O que dizia o acórdão do Tribunal Constitucional de 2008?

Partidos à esquerda do PS vão pedir apreciação da lei laboral ao Tribunal Constitucional e recordam acórdão de 2008 sobre o alargamento do período experimental de 90 para 180 dias para trabalhadores indiferenciados.
Comentários