Graça Freitas: “Estádios com público esta época? Está dependente de avaliação rigorosa”

“Temos a capacidade de sermos flexíveis e de nos adaptarmos com medidas progressivas, vamos ter de continuar a avaliar a progressão da epidemia, em cada momento será feita a reavaliação do risco, como nos últimos meses, adaptam-se sempre as medidas ao risco presente, e ao que possa acontecer”, realçou a diretora da DGS.

Graça Freitas, responsável máxima da Direção-Geral de Saúde, deixou em aberto a possibilidade dos estádios de futebol voltarem a receber público ainda esta temporada e esclareceu que essa situação está dependente de uma avaliação.

“Temos a capacidade de sermos flexíveis e de nos adaptarmos com medidas progressivas, vamos ter de continuar a avaliar a progressão da epidemia, em cada momento será feita a reavaliação do risco, como nos últimos meses, adaptam-se sempre as medidas ao risco presente, e ao que possa acontecer”, realçou Graça Freitas. “Não lhe sei responder se os estádios vão ter ou não ter pessoas, isso esta dependente muito desta avaliação rigorosa, de medir o risco e os prós e contras”, concluiu.

João Paulo Rebelo, secretário de Estado da Juventude e do Desporto, realçou no programa “Jogo Económico”, emitido a 8 de maio, que a ausência de público foi uma “linha vermelha” traçada de imediato pela DGS e recusou por completo a possibilidade dos estádios voltarem a ter adeptos esta temporada.

“Não, está completamente fora de hipótese essa possibilidade. Sei que logo nas primeiras reuniões entre a Federação Portuguesa de Futebol, Direção-Geral de Saúde e Ministério da Saúde, foram estabelecidas uma série de linhas vermelhas para o regresso do futebol para perceber se valeria a pena iniciar o processo. E nessas linhas vermelhas estava a presença de público nos estádios”, disse João Paulo Rebelo no programa “Jogo Económico” da plataforma JE TV, no início do mês passado

Portugal regista um total de 32.700 casos confirmados do novo coronavírus, mais 200 face ao dia anterior, um crescimento de 0,61%.

A Covid-19 já provou um total de 1.424 vítimas mortais, mais 14 nas últimas 24 horas, um crescimento de 0,99%, segundo os dados hoje divulgados pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Dos 200 novos casos nas últimas 24 horas, 193 foram registados na região de Lisboa e Vale do Tejo, representando 96% do total.

Ler mais

Relacionadas

Covid-19. 96% dos novos casos nas últimas 24 horas registados em Lisboa e Vale do Tejo

A nível nacional, o número de novos casos cresceu 0,61% para 32.700 casos, com o número de vítimas mortais a subir 0,99% para 1.424 óbitos.

“O vírus está a circular, não desapareceu”. DGS reage à intenção dos Super Dragões em deslocar-se para apoiar o FC Porto

não devem haver ajuntamentos fora dos estádios nem nos cafés. Nesse sentido, apelo à responsabilidade individual porque o vírus está a circular, não desapareceu. Se houver grandes aglomerados, o vírus vai fazer o seu caminho”, esclareceu Graça Freitas.

Infografia | Covid-19: ponto de situação em Portugal a 1 de junho

Veja aqui a evolução do novo coronavírus em Portugal, com os indicadores disponibilizados pela Direção-Geral da Saúde (DGS).
Recomendadas

Portugal continua com menos gente e cada vez mais velho

Uma população mais pequena, mais idosa, mas com poucas diminuições na percentagem em risco de pobreza. Tendência de decréscimo populacional e envelhecimento poderia ser ainda mais notória, não fosse o saldo migratório

Exportações de vestuário caem 43% em maio

A tendência de queda manteve-se em maio, com a indústria de vestuário a ter uma queda de 43% de envios para o exterior. Desde o início do ano, as empresas do setor perderam mais de 300 milhões de euros em exportações.

Vice-presidente da Comissão Europeia concorda com preocupações da CIP

Carta enviada em abril por António Saraiva a Ursula von der Leyen obteve resposta do seu “vice”. Valdis Dombrovskis defende “que a Europa deve estar equipada com os instrumentos necessários para enfrentar as consequências económicas e sociais da crise”.
Comentários