Grandes petrolíferas lucraram 1,83 biliões de euros em três décadas

A escala dos lucros das grandes empresas petrolíferas foi agora revelada, depois dos especialistas da área anunciarem que o boom dos combustíveis fósseis está a chegar ao fim, com a “sentença de morte” já comunicada ao petróleo.

Grandes petrolíferas como a BP, Shell, Exxon e Chevron lucraram perto de dois biliões de dólares (1,83 biliões de euros) durante as últimas três décadas, avança o “The Guardian”. Estes lucros são provenientes da exploração de reservas de petróleo, gás e carvão, que agora começam a ser escassas e a levar o planeta ao colapso climático, segundo investigações do jornal britânico.

A escala dos lucros das grandes empresas petrolíferas foi agora revelada, depois dos especialistas da área anunciarem que o boom dos combustíveis fósseis está a chegar ao fim, com a “sentença de morte” já comunicada ao petróleo. De acordo com uma análise do ‘The Guardian’, realizada por especialistas dos EUA, o impacto da extração dos combustíveis já era conhecido em 1990 por líderes políticos e pela indústria, mas os lucros falaram mais alto, e em três décadas as quatro empresas já acumularam 1,991 biliões de dólares em lucro (1,826 biliões de euros).

A análise realizada pela entidade nos EUA mostrou que a Exxon foi a mais lucrativa nos anos em análise, perfazendo um total de 775,2 mil milhões de dólares (711,4 mil milhões de euros). Só durante a década de 2000-2009, a Exxon Mobil conseguiu lucrar 353 mil milhões de dólares (324 mil milhões de euros), enquanto nesta última década amealhou 285,2 mil milhões de dólares (261,8 mil milhões de euros).

A Shell ficou em segundo lugar como a mais lucrativa, com um total de 523,6 mil milhões de dólares (480,7 mil milhões de euros). O maior período lucrativo também verificou ser a década de 2000 a 2009, com um lucro de 239,8 mil milhões de dólares (220,1 mil milhões de euros).

A Chevron, que ficou em terceiro na lista, lucrou um total de 360 mil milhões de dólares (330,5 mil milhões de euros) nas últimas três décadas. Os últimos nove anos, entre 2010 e 2019, foram os mais lucrativos para a empresa, que conseguiu 158,3 mil milhões de dólares (145,3 mil milhões de euros).

A BP foi a quarta empresa petrolífera que mais lucrou, segundo os dados do ‘The Guardian’, tendo alcançado um total de 360,6 mil milhões de dólares (331,1 mil milhões de euros). O período mais lucrativo foi o de 2000-2009, quando esta alcançou 202 mil milhões de dólares (185,4 mil milhões de euros).

Autumn Hanna, membro da entidade consultada pelo jornal britânico, assumiu que “durante décadas, as empresas de petróleo e gás têm aportado lucros de biliões de dólares, preenchendo os seus resultados com mil milhões de dólares em subsídios dos contribuintes”.

Por sua vez, o cientista climático Michael Mann disse estar a testemunhar o impacto ambiental da extração de combustíveis fósseis na Austrália. “Aqui em Sydney, onde vimos recordes de secas, calor, incêndios e inundações, este relatório fornece uma lembrança preocupante de que estamos todos a pagar o preço na forma de uma crise climática, para que algumas empresas possam continuar a ter lucros gigantes”, afirmou.

Também Mel Evans, ativista da Greenpeace do Reino Unido afirmou que as grandes empresas petrolíferas sabiam o perigo que a extração do produto representava para o clima, muito antes de ser do conhecimento público, mas estavam à procura de lucros”.

Ler mais

Recomendadas

Défices da zona euro voltam a atingir máximos históricos: 11,6%

Portugal, que registou um défice de 9,2% no segundo trimestre, foi o sexto país da zona euro com o maior agravamento do saldo orçamental entre o primeiro e o segundo trimestre.

Portugal regista o terceiro maior rácio de dívida pública face ao PIB da União Europeia

Grécia e Itália são os países europeus que lideram o ranking do peso da dívida face ao PIB.

Topo da agenda: o que vai marcar a atualidade esta quinta-feira

A divulgação da Comissão Europeia do indicador de confiança dos consumidores a zona euro vai marcar esta quinta-feira. Nos EUA, Trump e Biden voltam a debater-se, o Eurostat vai publicar estatísticas sobre défices e dividas da zona euro e a Coca-cola vai divulgar os resultados do terceiro trimestre.
Comentários