Greenvolt com resultados do semestre em queda de 82% para cerca de um milhão

O resultado líquido do exercício da empresa de energias renováveis foi de cerca de um milhão de euros, o que traduz uma queda de mais de 80% e reflecte a evolução do EBITDA.

A Greenvolt apresentou um resultado líquido de 1,032 milhões de euros, o que traduz uma queda de mais de 80% (82,3%) face ao primeiro semestre de 2020, devido à paragem de três das suas cinco centrais em Portugal.

Os resultados do primeiro semestre de 2021 foram impactados por vários efeitos não recorrentes, diz a empresa do grupo Altri, referindo-se aos custos de transacção referentes, essencialmente, aos custos com a aquisição da central de Tilbury e às paragens de manutenção.

“Adicionalmente, tendo em conta que a aquisição da Tilbury se concretizou no dia 30 de Junho de 2021, foi considerada a demonstração da posição financeira consolidada das empresas no Reino Unido, contudo, sem impacto na demonstração dos resultados”, refere a Greenvolt, em comunicado.

“Por fim, sublinhe-se o facto da paragem para substituição da turbina da central de produção energética através de biomassa florestal residual em Vila Velha de Ródão, a qual só entrará novamente em funcionamento a partir do mês de Setembro de 2021, prevendo-se um reforço da sua disponibilidade e da sua capacidade produtiva”, avança a empresa liderada por João Manso Neto.

As receitas totais ascenderam a 42 milhões de euros, o que representa um decréscimo de 9,8%. Já o EBITDA excluindo os custos de transacção referentes, essencialmente, a custos com a aquisição de Tilbury, atingiu os 13,9 milhões de euros (-11%), enquanto que o EBITDA incluindo estes custos não recorrentes foi de 10,6 milhões (-33%).

O resultado líquido do exercício foi de cerca de 1 milhão de euros, o que reflecte a evolução do EBITDA.

A dívida líquida financeira da Greenvolt no final do primeiro semestre de 2021 ascende a 266,4 milhões de euros.

A empresa que se estreou em bolsa este mês, diz que após a concretização do IPO (14 de julho) e de os bancos coordenadores globais terem exercido a Greenshoe Option (26 de julho), a Greenvolt aumentou o seu capital em cerca de 150 milhões, não considerando o aumento de capital em espécie da V-Ridium, reduzindo a sua dívida financeira líquida.

No comunicado, o CEO da empresa diz que “num período de mercado conturbado, a equipa da Greenvolt concretizou uma ambição muito relevante para o futuro da Companhia: a admissão das suas acções à cotação no mercado de capitais, com uma forte adesão dos investidores institucionais e concluída com sucesso”.

Recomendadas

Evergrande chega a acordo para evitar incumprimento de uma das suas dívidas

O gigante imobiliário chinês Evergrande disse esta quarta-feira ter chegado a um acordo com os detentores de obrigações para evitar o incumprimento de uma das suas dívida.

Endividamento das empresas privadas em máximos de 2014 (com áudio)

Desde março de 2014 que o endividamento das empresas privadas não atingia um valor tão elevado. No final de julho, as empresas do comércio e das indústrias eram as que mais contribuíam para este endividamento.

Refinaria de Matosinhos. Galp ainda não apresentou programa de descontaminação de solos (com áudio)

Governo disse que este programa terá de ser apresentado juntamente com o projeto de desmantelamento para esta unidade industrial, o que ainda não aconteceu. Ministro do Ambiente recordou que o PDM local estipula que o local da refinaria deverá continuar a ser usado para fins industriais e não para imobiliário.
Comentários