Greenvolt conclui compra de 42% da espanhola Perfecta Energia (com áudio)

A Greenvolt entra na energia solar em Espanha ao comprar uma participação de 42% da Perfecta Energia. A empresa liderada por Manso Neto garantiu também a opção de adquirir a totalidade do capital social da empresa em 2024. 

Cristina Bernardo

A Greenvolt – Energias Renováveis concluiu a primeira fase do processo de aquisição de uma participação de 42% na Perfecta Energia, estimando-se que a conclusão da operação ocorra nas próximas semanas. O valor do negócio não foi avançado.

A Perfecta Energia é uma empresa espanhola que atua na comercialização, instalação e manutenção de sistemas de painéis fotovoltaicos para autoconsumo no segmento doméstico.

Além da aquisição da participação de 42%, a Greenvolt garantiu também a opção de adquirir a totalidade do capital social da empresa em 2024.

“A Greenvolt torna-se, desta forma, detentora de uma participação importante numa empresa com um enorme potencial no setor das energias renováveis em Espanha, que se dedica às atividades de desenvolvimento de projetos de eficiência energética, bem como de instalação de projetos solares fotovoltaicos para autoconsumo”, diz a empresa de energias renováveis detida maioritariamente pela Altri.

“Este segmento de negócio assenta na promoção da geração energética através de fonte solar fotovoltaica através de unidades de pequena dimensão para autoconsumo, sendo um contributo inequívoco para um modelo de transição energética descentralizado e promotor de soluções eficientes no atual contexto de preços de mercado”, acrescenta a Greenvolt.

A Perfecta Energia opera no setor das energias renováveis, na venda, instalação e manutenção de painéis de energia solar para autoconsumo de clientes residenciais. A empresa foi fundada em Madrid em 2019 e tem exercido a sua atividade na região central e oriental de Espanha, estando planeada a expansão da sua atividade para todo o território espanhol. Durante o ano de 2020 a Perfecta atingiu uma faturação de 1,7 milhões de euros, tendo, no final de agosto de 2021, chegado a um valor acumulado de 3,5 milhões e estando previsto um crescimento expressivo até ao final do ano, revela a empresa portuguesa em comunicado.

Ao nível da geração distribuída, segmento de mercado onde a Perfecta Energia opera, a Greenvolt já detém uma participação maioritária numa das maiores empresas portuguesas deste segmento de negócio – a Profit Energy, empresa esta que se dedica essencialmente a soluções de reforço da eficiência energética para o comércio e indústria, detalha a empresa liderada por João Manso Neto que iniciou a sua atividade com a agregação de diversos ativos de produção de energia a partir de biomassa, de sobrantes florestais e agroflorestais em dezembro de 2005.

A Greenvolt, neste momento, opera em Portugal cinco centrais de produção de energia termoelétrica a partir de biomassa residual florestal, com cerca de 98 MW de potência instalada, e uma central de produção de energia elétrica através de biomassa residual urbana de no Reino Unido, com cerca de 42 MW. Paralelamente, através da sua subsidiária V-Ridum, a Greenvolt é já uma das maiores empresas europeias ao nível do desenvolvimento de projetos de energia eólica e solar fotovoltaica, com um pipeline de cerca de 3,6 GW, dos quais cerca de 1,5 GW estão em Faze avançada ou Ready to Build, estando presente na Polónia, Grécia, Itália, França, Roménia e Bulgária, entre outros.

Recomendadas

PremiumEugénio Rosa: “A substituição da administração do Banco Montepio é necessária”

“Sou totalmente contra uma administração que caia de paraquedas no Banco Montepio”, defende Eugénio Rosa, líder da lista C, candidata às eleição dos órgãos associativos do Montepio Geral.

PremiumPedro Corte-Real: “Há garantias do primeiro-ministro que o Montepio ia ser apoiado”

Pedro Corte-Real, que lidera a lista B para a presidência da Associação Mutualista Montepio Geral, defende que o Estado deve ajudar o Banco Montepio e diz que “esse apoio ainda não foi dado por falta de credibilidade das direções”.

Goldman Sachs quer aumentar diversidade étnica e de género nas cotadas do S&P 500 e do FTSE 100

A Goldman Sachs Asset Management diz que quer estar na vanguarda para impulsionar uma maior diversidade e inclusão nos conselhos de administração em todo o mundo.
Comentários