Greta Thunberg vence “Nobel da Paz” alternativo

A ativista de 16 anos, que realizou um discurso emotivo nas Nações Unidas esta semana, venceu o Prémio Right Livelihood a par com Aminatou Haidar, Guo Jianmei e Davi Kopenawa Yanomami.

REUTERS/Vincent Kessler

Greta Thunberg é a jovem ativista do momento, perante o mediatismo dos seus discursos, os adeptos das suas ideias e as vozes que se levantam contra a forma como apela à luta contra as alterações climáticas. A sueca de 16 anos continua a fazer correr tinta nos jornais mas, desta vez, foi o país que a distinguiu com um dos mais importantes galardões locais.

A adolescente foi nomeada esta quarta-feira como um dos quatro vencedores do Prémio Right Livelihood 2019, conhecido como o Prémio Nobel alternativo da Suécia. A organização premiou-a “por inspirar e ampliar as procuras políticas por ações climáticas urgentes que refletem factos científicos”.

Em comunicado, a Fundação Right Livelihood diz que Greta Thunberg “é a voz poderosa de uma geração jovem que terá de suportar as consequências do fracasso político de hoje em parar as mudanças climáticas”. “A sua determinação em não suportar o iminente desastre climático inspirou milhões de colegas a também levantar a voz e exigir ação climática imediata”, refere o júri sobre a jovem que começou a protestar à porta do parlamento sueco.

A estatueta foi ainda entregue à ativista dos Direitos Humanos Aminatou Haidar, do Sahara Ocidental; à advogada chinesa Guo Jianmei, diretora de uma ONG de assistência jurídica para mulheres; ao escritor brasileiro Davi Kopenawa Yanomami e à associação indígena à qual preside. Para a Fundação Right Livelihood, os quatro vencedores são “visionários práticos”, que foram capazes de ter espírito de liderança e encorajar “milhões de pessoas” a defender os seus direitos ​​e a lutar por um “futuro habitável para todos” no planeta Terra.

Recomendadas

Amnistia Internacional: Governos devem ser responsabilizados pelas mortes de profissionais de saúde

O relatório dá ainda conta de mais de três mil trabalhadores da saúde mortos desde o começo da pandemia com Covid-19. No total, há registo de óbitos em 79 países sendo que os EUA lideram com mais de 500 mortes.

ONU: Mais de 130 milhões de pessoas no mundo poderão ficar à fome devido à pandemia

A ONU alertou que o Objetivo Fome Zero até 2030 está em risco, sendo que quase 690 milhões de pessoas passaram fome em 2019, número que pode ser agravado este ano com o impacto da pandemia.

DGS alerta para perigos da subida de temperaturas

A Diretora-Geral da Saúde, Graça Freitas, alertou esta segunda-feira para os perigos do calor que se vai fazer sentir esta semana, com um aviso especial para as crianças, idosos, grávidas e doentes crónicos, por representarem grupos mais vulneráveis.
Comentários