Greve na Transtejo/Soflusa mantém-se entre terça e quinta-feira por falha nas negociações

A greve parcial dos trabalhadores da Transtejo/Soflusa, marcada entre terça e quinta-feira, vai manter-se dado que esta segunda-feira voltaram a falhar as negociações entre a administração da empresa e os sindicatos, disse à Lusa fonte da Fectrans.

Soflusa

Em declarações à Lusa, Paulo Lopes, dirigente da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS), avançou que os sindicatos “tentaram de tudo para evitar a greve parcial dos próximos três dias”.

“Tivemos hoje reunião com a administração da empresa e não encontrámos solução. A responsabilidade é toda da parte da empresa, tentámos encontrar solução, mas agora está na mão do Governo”, explicou.

Segundo o sindicalista, o Governo “quer manter mais um ano de congelamento de salários, não aceitando o subsídio proposto mais a valorização salarial”.

Desta forma, a travessia fluvial entre as duas margens, vai sofrer constrangimentos ao início da manhã e no final do dia entre terça e quinta-feira, avançando a empresa na sua página da Internet não ser possível garantir o serviço regular.

Trabalhadores das duas empresas (com uma administração comum), que fazem as ligações fluviais entre a denominada Margem Sul (do Tejo) e Lisboa, estiveram em 20 de maio em greve de três e duas horas por turno, voltando a paralisar parcialmente em junho e julho.

Segundo a informação disponibilizada pela empresa, e por se tratar de uma greve parcial por turnos, estão previstas as ligações do Barreiro para o Terreiro do Paço entre as 11:25 (primeiro barco) e as 17:35 (último barco) e, no período noturno, a partir das 22:00.

No sentido contrário, prevê-se a ligação entre o Terreiro do Paço e o Barreiro entre as 11:55 e as 18:00 e depois a partir das 22:30.

Entre Cacilhas e o Cais do Sodré a transportadora prevê ligações no período entre as 09:20 e as 16:45 e depois a partir das 20:14, enquanto no sentido inverso estão previstos barcos entre as 09:32 e as 16:45 e a partir das 20:10.

Já entre o Montijo e o Cais do Sodré estão previstas as carreiras entre 09:30 e as 16:30 e, mais tarde, no período das 20:30 às 22:30, enquanto no sentido contrário, Cais do Sodré – Montijo, estão previstas carreiras entre as 10:00 e as 16:30 e à noite entre as 20:10 e as 23:15.

Nas ligações entre o Seixal e o Cais do Sodré, os horários disponíveis são igualmente em dois períodos: entre as 09:15 e as 16:45 e depois entre as 20:30 e as 22:30, e no sentido inverso entre as 09:40 e 16:45 e entre as 20:15 e as 23:15.

Para as ligações Trafaria-Porto Brandão–Belém estão previstos os barcos entre as 09:40 e as 16:00 e entre as 20:30 e 21:30, e no sentido inverso entre as 10:00 e 16:30 e entre as 21:00 e as 22:00.

Segundo a TTSL, o tribunal arbitral do Conselho Económico e Social (CES) decretou serviços mínimos apenas para as ligações fluviais do Barreiro e de Cacilhas, nos seguintes horários: do Barreiro para o Terreiro do Paço às 05:05, do Terreiro do Paço para o Barreiro às 05:30, de Cacilhas para o Cais do Sodré às 05:20 e do Cais do Sodré para Cacilhas às 05:35.

A Transtejo assegura as ligações fluviais entre o Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão, no distrito de Setúbal, e Lisboa, enquanto a Soflusa é responsável por ligar o Barreiro à capital.

Recomendadas

Concertação Social reúne-se hoje com alterações laborais em cima da mesa

A Concertação Social acontece nas vésperas do Conselho de Ministros de quinta-feira e a uma semana da votação na generalidade da proposta de OE2022, cuja viabilização não está assegurada, uma vez que tanto o BE como o PCP ameaçaram votar contra o documento caso não haja mudanças.

Chumbar ou abster-se? Eis a questão à esquerda! Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes” de Rui Calafate

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.

Jovens estudam mais, mas prémio salarial continua a cair

Este prémio salarial é conquistado por todos os trabalhadores de todas as gerações – desde 1920 até 1999 – que tenham um maior grau de escolaridade. Ainda assim, e numa análise geracional, o prémio tem sido reduzido com a passagem do tempo, sendo menor para as gerações mais recentes. 
Comentários