Grupo Bomporto vai construir hotel em frente ao Porto

Serão 107 quartos mesmo em frente ao Património da Humanidade – dos quais metade serão em regime de apartamentos residenciais independentes. O complexo ocupará casario antigo edificado a poucos metros do rio.

A melhor forma de ver a beleza do Porto é a partir de Gaia, costumam dizer os turistas – e os responsáveis do Hotel Yetman, da The Fladgate, também. É possivelmente com essa intenção que o grupo Momporto Hotels vai lançar a construção do Hotel Rebello – que prevê a conversão de vários edifícios de grandes armazéns em frente às margens do rio Douro em Gaia, com vista para o Porto.

Segundo a empresa, o Rebello englobará 107 quartos – metade dentro do hotel e metade como apartamentos residenciais independentes. Apresenta apartamentos de T0 a T3 duplex, com áreas de 32 a 196 metros quadrados. Haverá dois restaurantes, um spa com piscina interior e exterior e um bar no terraço, com vistas sobre o rio para a cidade do Porto.

Os restaurantes serão geridos pelo chef português Miguel Castro e Silva. Segundo a empresa, todo o espaço foi concebido para respeitar e sublinhar o seu património distintivo; ou seja, quartos com tetos altos e enormes janelas industriais, apartamentos em estilo loft e vistas para o rio.

O hotel ficará a não mais que cinco minutos a pé do das principais as casas portuárias vintage, do cluster de restaurantes e bares de Gaia e de parte das caves de Vinho do Porto. O hotel deverá abrir em 2020.

O grupo tem vários outros hotéis no mercado nacional. O Lumiares, um boutique hotel e spa, no coração da zona do Bairro Alto, em Lisboa, com quartos de estilo apartamento entre studio ao penthouse. O hotel acolhe o Lumi Rooftop, o restaurante e bar no último andar, aberto todo o dia. No rés-do-chão encontra-se o Mercado Café do chef Miguel Castro e Silva. Já o Hotel Baronesa ocupa um antigo palácio e antiga casa dos Barões de Alvito, a poucos minutos do Lumiares Hotel. Por último, o The Bomporto Hotels comprou o The Vintage Lisboa Hotel, agora The Vintage Lisbon, em Lisboa, naquela que é a primeira incursão do grupo na hotelaria tradicional.

Recomendadas

CTT respondem à Anacom rejeitando que tenham prestado “informação enganosa” sobre a evolução das reclamações

Os CTT e a Anacom estão em guerra de comunicados. Em resposta à resposta da Anacom, os CTT divulgaram hoje um comunicado onde reafirmam que a variação do total de reclamações e pedidos de informação tal como referido no comunicado do passado dia 13, caíram 7%, correspondendo a um aumento de 9% das reclamações em sentido estrito. “As solicitações dos clientes dos CTT compreendem pedidos de informação e reclamações em sentido estrito”, diz a empresa.

Anacom acusa CTT de divulgar informação enganosa

O regulador acusa a empresa de ter divulgado informação enganosa ao ter dito que as queixas baixaram 7%.

BCE exige à CGD para 2019 o mesmo rácio de capital que tinha exigido no ano passado

“O requisito de Pilar 2 para a CGD em 2019 é de 2,25%, o que representa uma manutenção face a 2018”, diz a Caixa. Recorde-se que os requisitos de Pilar 2, são os específicos das instituições e confidenciais. “Considerando os rácios da CGD em 31 de dezembro de 2018, são já cumpridos, com uma significativa margem, todos os novos rácios mínimos exigidos em matéria de CET1 (Common Equity Tier 1), Tier 1 e Rácio Total”, diz a CGD.
Comentários