Grupo Louis Vuitton cancela compra da joalharia Tiffany e abre batalha judicial

Com o negócio desfeito, a Tiffany garantiu já ter avançado com um processo contra o grupo detido por Bernard Arnault, para forçar o grupo a concluir o negócio acordado no ano passado, tendo ainda acusado o grupo francês de atrasar propositadamente a conclusão da aquisição da empresa.

O grupo de bens de luxo, Louis Vuitton Moët Hennessy, afirmou esta quarta-feira, 9 de setembro, que cancelou a compra a joalharia Tiffany, cujo negócio estava fixado nos 16 mil milhões de dólares (13,5 mil milhões de euros), avança a “Reuters”. Este é um dos maiores negócios que não se realizou depois da pandemia de Covid-19.

Com o negócio desfeito, a Tiffany garantiu já ter avançado com um processo contra o grupo detido por Bernard Arnault, para forçar o grupo a concluir o negócio acordado no ano passado, tendo ainda acusado o grupo francês de atrasar propositadamente a conclusão da aquisição da empresa.

Caso fosse concluído, este estaria entre os maiores negócios dos últimos tempos na indústria do luxo, mas, de acordo com a “Reuters”, como a pandemia atingiu duramente o setor, o proprietário questionou se não estava a pagar demasiado pela joalharia com 183 anos, voltando atrás no que já estava acordado.

Com a pandemia, a indústria de luxo está a verificar uma quebra acentuada das vendas após uma década de crescimento. Assim, a Covid-19 fez com que as previsões apontassem para uma quebra de receita na ordem dos 35% para este ano, enquanto a consultora Bain estima que a faturação atinja níveis de 2019 em 2022 ou 2023, ou seja, daqui a dois ou três anos.

O grupo francês adiantou em comunicado que recebeu uma carta do Ministério dos Negócios Estrangeiros de França, a pedir para atrasar a aquisição da Tiffany para uma data posterior a 6 de janeiro de 2121, devido à ameaça das tarifas adicionais impostas pelos Estados Unidos a produtos franceses.

O grupo de Bernard Arnault disse ainda em comunicado que a empresa Tiffany também tentou adiar a data de aquisição para 31 de dezembro, pouco mais de um mês depois da data original, que se tinha fixado em 24 de novembro. Decidindo manter a mesma data, o grupo Louis Vuitton decidiu “não completar a aquisição da Tiffany & Co”.

Ao abrir um processo judicial contra o grupo francês, a empresa de jóias quer que o grupo de bens luxuosos cumpra a sua obrigação contratual nos termos previamente acordados entre os dois, adiantando que a Louis Vuitton quebrou as obrigações relacionadas com a autorização anti-trust. 

Depois do cancelamento da aquisição, a joalharia encontra-se a desvalorizar 6,41% para 114 dólares (96 euros) na Bolsa de Nova Iorque, enquanto o grupo francês encerrou a sessão de hoje no negativo, perdendo 0,09% para 404,05 euros na Bolsa de Paris.

Ler mais
Recomendadas

Tecnológica brasileira CI&T prevê investir dois milhões de euros em dois anos e contratar 200

A CI&T tem presença na Ásia, mais concretamente China e Japão, e Estados Unidos, que foi o segundo mercado de aposta.

António Horta Osório vai ser Chairman do Credit Suisse

Horta Osório será eleito Presidente do Conselho de Administração do Credit Suisse em maio. O banco está presente em Portugal. A nomeação será rápida, já que sendo um banco suíço não precisa de passar pela morosa avaliação do BCE.

Revolut lança aplicação web de “homebanking”

Assim como na ‘app’ do telemóvel, os clientes da Revolut conseguem, com esta nova ferramenta, adicionar dinheiro à conta através de transferência bancária, cartão débito ou de crédito ou Apple Pay. O website está protegido por um sistema de autenticação de dois fatores.
Comentários