Guerra comercial deixou de ser uma ameaça e já está a “abrandar” economia mundial, alerta FMI

Em conferência de imprensa em Washington, o porta-voz da instituição, Gerry Rice, recordou que a equipa do FMI já tinha avisado que “as tensões comerciais constituíam uma ameaça e o que dizemos agora é que não são só uma ameaça, porque já estão a começar a abrandar o dinamismo da economia mundial”.

Presidente chinês, Xi Jinping, e governante norte-americano, Donald Trump, conversam durante evento em Pequim, em 2017 | REUTERS/Thomas Peter

O Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou hoje que a guerra comercial entre os EUA e a China deixou de ser uma ameaça e está já a “abrandar” o dinamismo da economia mundial, que evolui a um ritmo “relativamente lento”.

Em conferência de imprensa em Washington, o porta-voz da instituição, Gerry Rice, recordou que a equipa do FMI já tinha avisado que “as tensões comerciais constituíam uma ameaça e o que dizemos agora é que não são só uma ameaça, porque já estão a começar a abrandar o dinamismo da economia mundial”.

Nas suas últimas estimativas sobre o possível impacto das tarifas impostas mutuamente entre as duas maiores economias mundiais, o FMI calculou que a guerra comercial poderia reduzir o PIB (Produto Interno Bruto) mundial em cerca de 0,8% em 2020 e levar ainda a mais perdas nos anos seguintes.

Rice reconheceu que o ritmo da atividade económica mundial “continua a ser relativamente lento”, uma evolução provocada pelo aumento de tensões comerciais e geopolíticas, que “resultaram num aumento da incerteza”.

“Isso tem repercussões nos negócios e comércio mundial”, explicou o porta-voz.

O FMI irá anunciar novas projeções na sua próxima assembleia geral, em conjunto com o Banco Mundial, entre os dias 12 e 14 de outubro, na capital americana.

No seu último relatório de perspetivas económica globais, apresentado em julho, o FMI reduziu as previsões de crescimento global deste ano para 3,2%, devido à guerra comercial e outras tensões internacionais.

Os EUA aplicaram uma taxa de 15% no passado dia 01 de setembro a importações chinesas avaliadas em 101 mil milhões de dólares (112 mil milhões de dólares à cotação atual) e que incluem bens como têxteis, calçado, material escolar, alimentos e outros produtos.

No mesmo dia, a China aplicou taxas entre 5% e 10% a produtos americanos avaliados em 68 mil milhões de euros (75 mil milhões de dólares).

Esta madrugada, os dois países anunciaram que iam atrasar a imposição de mais tarifas, numa decisão que parece demonstrar uma tentativa de arrefecer a tensão.

Na mesma conferência de imprensa, Gerry Rice garantiu que o FMI estava “plenamente comprometido” na ajuda à Argentina, reconhecendo que o país está numa situação “extremamente difícil”.

“O nível de inflação continua muito elevado e isso fez aumentar a taxa de pobreza”, ao mesmo tempo que a atividade económica se reduziu, de acordo com o porta-voz do Fundo.

Rice confirmou que uma delegação argentina irá a Washington no “final de setembro” para continuar a negociar com o FMI sobre um programa de assistência financeira avaliado em 56.300 milhões de dólares (51.071 milhões de euros).

Ler mais
Relacionadas

Donald Trump adia aumento de taxas alfandegárias sobre importações oriundas da China

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, adiou por 15 dias o aumento de taxas alfandegárias sobre quase metade das importações oriundas da China, num raro gesto de “boa vontade”, que antecede nova ronda negocial. Trump disse ter acedido ao pedido do vice-primeiro ministro chinês, Liu He, que lidera a delegação chinesa nas negociações com […]
Recomendadas

Irão nega EUA e diz que não foi o autor do ataque às instalações de petróleo sauditas

O ataque já foi reivindicado pelo grupo Houthi, do Iémen e que é pró-Irão. A Guarda Revolucionária iraniana diz-se pronta para a guerra e que as bases norte-americanas e porta-aviões estão a dois mil quilómetros de distância.

Itália: novo governo permite desembarque de imigrantes

O novo governo instalado em Roma rompeu com as medidas rígidas contra a imigração promovidas por Matteo Salvini, antigo vice-primeiro-ministro e ministro do Interior.

Trump acena com acordo de defesa e ajuda Netanyahu

O presidente norte-americano tenta a impulsionar a candidatura de Benjamin Netanyahu a mais um mandato como primeiro-ministro israelita. Um possível acordo de defesa é o mote.
Comentários