Guerra comercial volta a castigar Wall Street

As ações da Apple recuam 1,20%, para 187,72 dólares, depois de o grupo financeiro japonês Nomura ter descido o seu preço-alvo.

Brendan McDermid / Reuters

A guerra comercial volta a pesar em Wall Street. Os mercados norte-americanos estão a negociar no início da sessão desta sexta-feira, 17 de maio, em terreno negativo. Depois de três dias de ganhos, os investidores da Bolsa de Nova Iorque ressentem a sinalização de que a China poderá não querer um encontro entre Donald Trump e Xi Jinping à margem da cimeira do G20, que se realiza em junho.

Os três principais índices de Wall Street estão pintados de ‘vermelho’. O Dow Jones recua 0,53% (para os 25.724,81 pontos). Na mesma linha, o alargado S&P 500 perde 0,56% (para os 2.860,08 pontos) e o tecnológico Nasdaq desliza 0,64% (para os 7.847,13 pontos). Também o Russell 2000 desvaloriza (-0,63%, para os 1.545,49 pontos).

As tensões entre os Estados Unidos e a China no âmbito da guerra comercial dominam o sentimento, depois de a imprensa chinesa indicar que o gigante asiático poderá não estar interessado em reunir-se agora com os EUA para resolver essas questões. A Deere, uma das fabricantes de tratores agrícolas, reviu em baixa as projeções de lucros como consequência da guerra comercial. Nvidia, Applied Materials e Baidu também mostraram contas”, explica Ramiro Loureiro, trader do Millennium bcp.

As ações da Apple recuam 1,20%, para 187,72 dólares, depois de o grupo financeiro japonês Nomura ter descido o seu preço-alvo.

Já Nvidia e a Applied Materials, empresas norte-americanas da indústria semicondutores que divulgaram as últimas contas e previsões para o atual trimestre, veem os seus títulos terem reações distintas. A primeira – que reportou lucros de 0,64 dólares por acção (acima do esperado) e menos 31% de receitas (2,2 mil milhões de dólares) – desliza 0,22%, para 159,85 dólares. A segunda – que prevê receitas de 3,53 mil milhões de dólares, em linha com as estimativas – está em contraciclo e sobe 4,77%, para 43,64 dólares. “Mostraram um outlook que parece agradar os investidores”, explica Ramiro Loureiro, no mesmo research enviado esta tarde.

Quanto ao petróleo, a cotação do barril de Brent está a cair 0,12%, para 72,53 dólares, enquanto a cotação do crude WTI sobe 0,43%, para 63,14 dólares por barril. No mercado cambial, nota para a ligeira depreciação de 0,03% do euro face ao dólar (1,1168) e para a desvalorização de 0,41% da libra perante a divisa dos Estados Unidos (1,2742).

“A situação precária em que a primeira-ministra britânica forçada pelo seu próprio partido a deixar o cargo em junho, somada aos avanços nulos em relação ao Brexit, só aumentou a pressão sobre a libra esterlina”, aponta, em nota de mercado, o analista Aitor Méndez. O especialista da IG refere que o GBP-USD regista uma nova queda na ordem dos 0,40% e que “marca um mínimo na sessão a 1,2737 dólares por moeda britânica, o menor preço desde 15 de janeiro passado, dia em que o acordo de saída negociado por Theresa May foi rejeitado de forma dolorosa pelo parlamento britânico

Notícia atualizada às 15h20

Ler mais
Recomendadas

Ações do Benfica atingem novo máximo com proposta do Atlético Madrid por João Félix

As ações do clube da Luz atingiram os 3,17 euros, tendo registado uma subida de 4,6% desde que os encarnados informaram a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários de que estão analisar uma proposta sobre o jogador.

PSI-20 mantém-se no ‘verde’ impulsionado pela Altri e Sonae Capital

O principal índice da bolsa de Lisboa abriu a sessão desta quinta-feira com uma subida de 0,19% para 5.087,94 pontos, seguindo a tendência das congéneres europeias

2018: o ano em que o ‘crowdfunding’ chegou ao mercado nacional

O ano passado marcou a ‘estreia’ das plataformas de financiamento colaborativo em Portugal, CMVM a receber sete pedidos de registo. Mas, na Europa, as ambições passam por desenhar um quadro regulatório para impulsionar o ‘crowdfunding’. A Comissão Europeia já entregou proposta ao Parlamento.
Comentários