Guiné-Bissau e Angola “estão juntos” no combate à corrupção

O Presidente guineense, José Mário Vaz, elogiou hoje o seu homólogo angolano, João Lourenço, pelo combate contra a corrupção, referindo que os dois países “estão juntos” nessa luta.

“É uma coisa que me é comum com o Presidente João Lourenço, que […] está num combate sério à corrupção. Eu estou mais do que num combate feroz contra a corrupção”, diz José Mário Vaz, em entrevista à agência Lusa em Lisboa.

Referindo que na Guiné-Bissau se diz “dinheiro do Estado no cofre do Estado” em vez de corrupção, o Presidente admite que se trata de “uma luta bastante difícil”, mas que “vale a pena esse combate”.

“Quando olharmos para trás, vamos dizer que valeu a pena a nossa passagem nesta cadeira porque a nossa passagem permitiu o desenvolvimento do país e permitiu o bem-estar do nosso povo”, refere.

Questionado sobre as relações com Angola, José Mário Vaz diz que se trata de “um país irmão” e que “por isso não há razão nenhuma para que não haja boas relações”.

As relações entre os dois países foram afetadas pela crise de 2012, após o golpe de Estado na Guiné-Bissau. Angola enviou militares para o país, mas a intervenção foi contestada e o Governo angolano acabou por retirar aquela força.

Sobre o papel da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Guiné-Bissau, tendo em conta a influência da Comunidade dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), o Presidente considera que as duas organizações “são importantes” para o país.

No entanto, reconhece que a CEDEAO tem uma “presença forte” e que a sua força militar (Ecomib) “contribuiu para a paz e para a estabilidade na Guiné-Bissau”.

Referindo que o lugar da CPLP na Guiné-Bissau “é intocável” porque é “a grande família”, sobretudo por causa da língua, José Mário Vaz defende, contudo, que a organização lusófona tem de ser mais “a CPLP dos povos e da economia”.

Sobre o papel de Portugal, o chefe de Estado defende que “pode fazer muito mais” pela Guiné-Bissau e que pode “ter muita contrapartida” se o fizer.

O Presidente diz que “gostaria de ter mais empresários” portugueses na Guiné-Bissau e defende que Portugal poderá também contribuir mais para a formação de quadros e formação profissional, embora admita que o acesso às universidades portuguesas está mais facilitado.

Recordando que fez o seu percurso escolar em Portugal, onde tem “muitos amigos”, o Presidente guineense acusou “algumas pessoas”, sem especificar, de terem exercido influência sobre as autoridades portuguesas para prejudicar a cooperação entre os dois países.

“Ninguém pode defender mais interesses de Portugal mais do que eu”, conclui.

Ler mais
Recomendadas

Londres destrói um milhão de moedas comemorativas do Brexit

As moedas cunhadas para marcar o divórcio entre o Reino Unido e a União Europeia, que estava agendado para 31 de outubro, estão a ser derretidas porque Boris Johnson falhou o prazo. O custo da produção e destruição das moedas será suportado pelos contribuintes britânicos.

“Incorreto e inapropriado”. Assessor da Casa Branca critica telefonema de Trump ao homólogo ucraniano

Alexander Vindman, especialista sobre a Ucrânia do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, disse hoje que ficou “preocupado” enquanto tirava notas do telefonema entre Donald Trump e Zelensky, em 25 de julho – a chamada que está no centro do inquérito para a destituição do Presidente dos EUA, em que Trump é acusado de ter tentando pressionar o homólogo ucraniano a investigar Joe Biden, rival político do líder norte-americano.

E se o Ártico ficasse sem gelo? Pode acontecer em 2044

Tendo como base diversos fenómenos e os acontecimentos atuais, algumas previsões apontam que o mês de setembro em 2026 já não vai conseguir ter gelo, enquanto outras previsões apontam que o degelo total só deverá acontecer em 2132, a muitos anos de distância.
Comentários