Há mais interessados na compra da Efacec, segundo o Ministro da Economia

“Tivemos já novas manifestações de interesse além daquelas entidades que apresentaram propostas no processo que anteriormente estava em curso”, disse à Lusa Pedro Siza Vieira no ministério da Economia e da Transição Digital, em Lisboa.

O ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, disse hoje à Lusa que houve novas “manifestações de interesse” para a aquisição do capital da Efacec que pertence ao Estado, além das propostas anteriormente conhecidas.

“Tivemos já novas manifestações de interesse além daquelas entidades que apresentaram propostas no processo que anteriormente estava em curso”, disse à Lusa Pedro Siza Vieira no ministério da Economia e da Transição Digital, em Lisboa.

O ministro lembrou as empresas que apresentaram propostas ainda antes da nacionalização de 71,73% do capital da Efacec, presumindo que “continuarão interessadas”, embora o Governo tenha formalmente de abrir um processo de reprivatização.

“Também nos têm feito chegar manifestações de interesse de outros lados”, disse Pedro Siza Vieira, sem concretizar, mas sublinhando que agora a empresa nortenha “já não tem as mesmas dificuldades que estava a ter nos últimos tempos” devido à situação da sua antiga acionista maioritária, a empresária Isabel dos Santos.

Assim, o número dois do Governo considerou que “a empresa até pode ser melhor valorizada pelo mercado”.

No dia 26 de junho, ainda antes de ser nacionalizada, a a Efacec anunciou ter recebido “cerca de uma dezena” de propostas não vinculativas de grupos industriais e fundos de investimento, nacionais e internacionais, para aquisição do capital de Isabel dos Santos na empresa.

Na semana seguinte, no dia 02 de julho, o Conselho de Ministros aprovou o decreto de lei para nacionalizar “71,73% do capital social da Efacec”, uma empresa nacional que “constitui uma referência internacional em setores vitais para a economia portuguesa”.

No mesmo dia, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou o diploma do Governo que nacionaliza a empresa Efacec, justificando a decisão, entre outras razões, pela “natureza transitória da intervenção”.

O Conselho de Administração da Efacec considerou que a nacionalização de 71,73% da empresa é “um claro reconhecimento” do “valor económico e estratégico” do grupo, permitindo “viabilizar a sua continuidade” e manter o seu “valor financeiro e operacional”.

Dois dias depois, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou que a nacionalização da Efacec não é para ser duradoura, defendendo que “quanto mais curta melhor”.

Pedro Siza Vieira afirmou, no dia 07 de julho, que o Estado está a “salvar uma empresa” e não “os financiadores e os acionistas” da Efacec e que o valor da indemnização não será suficiente para saldar a dívida de Isabel dos Santos.

Ler mais
Relacionadas

PremiumParpública contrata Haitong, SRS e EY para ajudar a vender Efacec

A Parpública já escolheu a auditora que avalia a indemnização, o banco e o escritório de advogados que vão assessorar a venda da Efacec.

PremiumAngola perde arresto da Efacec e pode ter de pagar aos bancos

A nacionalização da Efacec abriu uma caixa de pandora: o arresto da PGR caiu, a indemnização do Estado deve ir parar aos bancos credores que podem ter de pedir insolvência da Winterfell 2. A CGD, o BCP e o NB têm avales pessoais da estatal Ende.

Efacec: Estado não vai assumir responsabilidade pelas dívidas de Isabel dos Santos, garante Governo

O Executivo socialista acredita que “grande parte” da dívida da empresária angolana aos bancos que financiaram a sua entrada na Efacec (Montepio, BPI e BIC) “está perdida” porque o valor da indemnização que vai resultar da avaliação que o Governo vai fazer “não será suficiente para amortizar a totalidade dessa dívida”.
Recomendadas

Carris prolonga horários dos autocarros por causa da derrocada na Praça de Espanha

O serviço noturno do autocarro “746”, que percorre a zona do Marquês de Pombal até Sete Rios, foi prolongado até à 1h00, depois do desabamento nas obras que provocou ferimentos ligeiros em quatro pessoas.

Tecnoplano vai fiscalizar obra de expansão do Metro de Lisboa

Às empreitadas já adjudicadas acrescerá a fiscalização dos subsequentes contratos por adjudicar de acabamentos e equipamentos das estações túneis, poços de ventilação e viadutos, asseguram os responsáveis da empresa.

Empregos no motor de pesquisa e mais programadores. Como é o acordo entre o Governo e a Google

O memorando de entendimento assinado esta terça-feira prevê ainda a expansão do Atelier Digital, na qual os portugueses são formados sobre websites ou estratégias de negócio online, e uma ferramenta para ajudar as empresas a implementar inteligência artificial.
Comentários