Há mais reformados do que trabalhadores em 23% dos concelhos

Trás-os-Montes, Beira Interior e Alentejo são os municípios onde se encontra o maior número de reformados por velhice.

Há mais reformados do que trabalhadores em 23% dos concelhos do continente de Portugal, revela esta terça-feira o “Jornal de Notícias” (JN) com base nos dados facultados pelo Instituto de Segurança Social.

“Como podem ter dinâmica económica e social? (…) Não podemos converter população em idade ativa em reformados”, afirmou ao jornal portuense Ana Alexandre Fernandes, presidente da Associação Portuguesa de Demografia.

Trás-os-Montes, Beira Interior e Alentejo são os municípios onde se encontra o maior número de reformados por velhice, segundo o JN. Já Albufeira tem três trabalhadores por cada reformado, seguindo-se Lousada e Paços de Ferreira.

Na semana passada, o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social avançou à agência noticiosa Lusa que serão 2.237 pensões da Caixa Geral de Aposentações com recálculo e pagamento de retroativos em agosto, após uma decisão do Tribunal Constitucional que implicou a revisão das reformas deferidas desde 2013.

O ministro José António Vieira da Silva disse, no parlamento, que a medida terá um impacto de 13,5 milhões de euros este ano. Segundo o governante, no mês de agosto, os pensionistas receberão o valor da nova pensão, juntamente com os retroativos relativos à correção dos valores.

Recomendadas

Mais de metade das empresas com quebras no volume de negócios em 2020

Três quartos das empresas do alojamento e restauração registaram perdas no volume de negócios, enquanto mais de metade das empresas nos sectores dos transportes, serviços gerais, grossistas, retalho e indústrias apresentaram quebras.

Produção de calçado em Portugal caiu 13,2% em 2020

“Em 2020, o painel de especialistas inquirido pela publicação (‘World Footwear Experts Panel’) apontava para uma quebra no consumo mundial de calçado superior a 20%”, notou a APICCAPS.

AHRESP saúda reposição de horários e insiste na reabertura da animação noturna

“Dada a situação pandémica e os meios que hoje temos para a controlar, julgamos ser possível estabelecerem-se condições para a respetiva reabertura” das discotecas, apela a associação.
Comentários