Premium“Há um enorme potencial para a biomassa em Portugal”, diz secretária-geral da EUBCE

Lisboa vai receber 1.500 delegados de 70 países este mês para debaterem a importância da biomassa no combate às alterações climáticas no mundo.

Maria Graça Carvalho

Lisboa vai ser o palco mundial da biomassa entre os dias 27 a 30 de maio. A eletricidade produzida a partir de resíduos florestais e agrícolas vai ser debatida por mais de 1.500 delegados oriundos de 70 países na 27ª Conferência e Exposição Europeia da Biomassa (EUBCE 2019) que vai ter lugar no Centro de Congressos de Lisboa.

Em conversa com o Jornal Económico, Maria da Graça Carvalho, secretária-geral do EUBCE 2019 e eurodeputada, destaca a importância que a biomassa poderá vir a ter no futuro em Portugal e no mundo para combater as alterações climátiacas e “para alcançar os objetivos do Acordo de Paris”.

“A biomassa e os resíduos representaram cerca de dois terços de todo o consumo de energias renováveis na UE. Em Portugal a biomassa é essencialmente utilizada na indústria da pasta de papel. Há um enorme potencial para a biomassa em Portugal. O estado atual dos recursos de biomassa mostra que o potencial total estimado por vários sectores do país é 42.489 gigawatts/hora por ano”.

Além da importância para a produção de eletricidade, a eurodeputada eleita pelo PSD destacou o papel relevante que este setor poderá ter para prevenir os incêndios florestais. “A prevenção de incêndios em Portugal passa também pela valorização económica da floresta. A biomassa é uma parte importante nessa estratégia de valorização. Mas para isso será necessário criar logística para a recolha da biomassa e cadeias de valor para os produtos florestais”, disse.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Bilionários acumulam mais riqueza que 60% da população mundial

A organização não-governamental Oxfam aponta que se os 1% mais ricos do mundo pagassem “apenas” mais 0,5% de impostos sobre o seu património ao longo dos próximos 10 anos este valor seria o necessário para criar 117 milhões de empregos em setores como a educação e a saúde em todo o mundo.

Correia de Campos: “Não houve gestão estratégica para a administração pública em 20 anos”

.Numa altura em que está marcada uma greve nacional da função pública para dia 31 contra a proposta de aumentos salariais do Governo, de 0,3%, o presidente do CES defende que “as preocupações salariais são essenciais”, mas lamenta que elas tenham “dominado em excesso as preocupações da gestão da AP”.

Eurogrupo reúne esta segunda-feira com Orçamento português na agenda

O aprofundamento da União Económica e Monetária, a missão intercalar do FMI e a proposta de política económica para os países da moeda única este ano estão entre os outros pontos de agenda do encontro dos ministros das Finanças da zona euro.
Comentários