“Há uma desconformidade entre a nossa ciência e a nossa economia”

O alerta foi lançado pelo economista Daniel Bessa, na sessão de abertura do IV Encontro Internacional da Casa das Ciências, que até esta quarta-feira decorre na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa com a participação de cerca de 900 professores.

Daniel Bessa é perentório: “Temos que levar a nossa economia a tirar maior partido desta ciência que temos”. País moderadamente inovador, situando-se na vizinhança da Espanha e da Itália, Portugal pontua acima da média no número de doutorados abaixo dos 35 anos, mas figura muito abaixo da média no financiamento. “Há gente a mais a trabalhar com meios a menos”, vinca, explicando que neste “clima de ternura”, contratam-se as pessoas, mas sem meios para lhes dar.

O resultado é uma valente desconformidade. “Um doutorado que vai ganhar 700 euros parece um esforço excessivo para tão pouco resultado…”, salienta o antigo ministro da Economia, acrescentando: “Se não estamos mal em condições e recursos, mas estamos nos resultados, que raio, afinal, se passa pelo caminho?!”, questionou-se, para de seguida apontar o caminho: “Eu virar-me-ia para os processos. O campo de ação está nos processos; a nível macro nas políticas públicas, a nível micro nas práticas empresariais de cada um individualmente.”

O antigo presidente da Cotec Portugal proferiu a conferência de abertura do IV Encontro Internacional da Casa das Ciências. O evento tem lugar na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e reúne cerca de 900 professores num espaço de debate e partilha de experiências, sob o tema “Educação Científica e Desenvolvimento Económico”.

Na sessão de abertura pontificaram Isabel Alçada, ex-ministra da Educação, José Martinho Simões, diretor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e José Ferreira Gomes, coordenador da Casa das Ciências, que destacou a componente de partilha do encontro, cujo objetivo “é enriquecer e melhorar o ensino das ciências nas nossas escolas e, neste sentido, melhor preparar os jovens para as necessidades do futuro”.

Isabel Alçada, membro do Conselho Consultivo do EDULOG, o think tank da Educação da Fundação Belmiro de Azevedo, que a Casa das Ciências recentemente integrou, destacou o papel da investigação e do conhecimento e a importância do EDULOG, que trabalha no sentido de ir buscar à ciência os dados que apoiem a decisão em matérias de educação.

Recomendadas

Fundação Vasco Vieira de Almeida e Faculdade de Letras premeiam Maria Luísa Resende

A primeira edição do Prémio Professor Francisco Vieira de Almeida foi entregue à autora do trabalho intitulado “A Transmissão de Luciano de Samósata em Portugal no Século XVI”.

Lisboa sobe 23 posições no ‘ranking’ das cidades mais caras para trabalhadores internacionais

Edição de 2021 do estudo “Custo de Vida das Cidades”, da Mercer, mostra prevalência das cidades asiáticas naquelas que têm um custo de vida mais elevado para trabalhadores internacionais. Consultora assinala impacto da pandemia de Covid-19 e da valorização das divisas.

Uma potência em Finanças: Portugal tem quatro mestrados entre os 55 melhores do mundo

O Ranking Masters in Finance 2021 do Financial Times divulgado esta segunda-feira, 21 de junho, traz quatro escolas nacionais: Nova SBE, Católica-Lisbon, ISEG e ISCTE. O curso da Nova SBE, primeiro a nível nacional, cimenta o 14.º lugar no mundo, a escola de Filipe Santos sobe três posições, o ISEG consolida a presença e o ISCTE regressa à lista.
Comentários