Heineken quer alcançar neutralidade carbónica na produção até 2030

Grupo cervejeiro que detém a SCC – Sociedade Central de Cervejas e Bebidas pretende ainda atingir a emissão zero de dióxido de carbono ao longo de toda a cadeia de valor até 2040.

FILE PHOTO: Packs of Heineken beer are displayed for sale at a Carrefour hypermarket in Nice, France, April 6, 2016. REUTERS/Eric Gaillard/File Photo

A Heineken, acionista da SCC – Sociedade Central de Cervejas e Bebidas, definiu novos compromissos em relação ao ambiente, à sustentabilidade social e ao consumo responsável, tendo elevado a fasquia dos seus objetivos e anunciando que pretende alcançar a neutralidade carbónica na produção até 2030 e ao longo de toda a cadeia de valor até 2040.

Designado ‘Heineken, Brew a Better World 2030 – Produzir um Mundo Melhor’, este programa rumo às emissões zero traçou ainda outros objetivos, como zero desperdício lançado em aterro a nível global até 2025 e impacto positivo no consumo de água em todas as zonas com escassez deste recurso até 2030.

A implementação total do programa de igualdade salarial e salários justos até 2023; 30% de mulheres em cargos de gestão de topo até 2025 e 40% até 2030 no caminho para a igualdade de géneros; desenvolver uma iniciativa de impacto social em 100% dos mercados, todos os anos; lançar duas opções de bebidas com zero teor alcoólico na maioria dos mercados até 2023; promover parcerias em todos os mercados para combate aos efeitos nocivos de um consumo abusivo de bebidas alcoólicas; alcançar um bilião de consumidores anualmente com mensagens relacionadas com o consumo responsável;  e dedicar 10% do orçamento de ‘marketing’ da marca Heineken à promoção de um consumo responsável são outras metas assumidas no âmbito deste plano.

“Como parte importante da nova estratégia de crescimento equilibrado da empresa, intitulada ‘EverGreen’, as metas definidas para 2030 baseiam-se nos progressos alcançados desde o lançamento original, em 2009, do programa Brew a Better World – Produzir um Mundo Melhor”, destaca um comunicado do grupo cervejeiro.

Dolf van den Brink, CEO e presidente do conselho de administração da Heineken, destaca que “há mais de 150 anos que somos apaixonados por causar um impacto positivo no mundo que nos rodeia”.

“Sabemos que só podemos prosperar se as nossas pessoas, o planeta e as comunidades onde estamos inseridos também prosperarem. Estamos a entrar numa década com desafios ainda mais complexos. A nossa visão ‘Brew a Better World – Produzir um Mundo Melhor até 2030’ eleva a fasquia e permite um progresso mais rápido rumo a um mundo com emissões zero, mais justo e mais saudável. Os nossos novos compromissos estão profundamente integrados na nossa estratégia de crescimento equilibrado, a ‘EverGreen’, colocando a sustentabilidade e a responsabilidade na frente e no centro enquanto escrevemos o nosso próximo capítulo. Gostaria de agradecer a todos os nossos colaboradores pelo seu empenho e compromisso contínuo com este tópico. Juntos, faremos a nossa parte para ‘Brew a Better World – Produzir um Mundo Melhor'”, assinalou Dolf van den Brink.

No caminho para as emissões de carbono zero, perseguindo a neutralidade carbónica, a Heineken anunciou a sua ambição reforçada de descarbonizar a sua produção até 2030 e a sua cadeia de valor total até 2040.

“A empresa pretende que todas as suas instalações de produção[inclui cervejeiras, fábricas de refrigerantes e de produção de malte] se tornem neutras em carbono, maximizando a utilização de energia renovável e a eficiência energética. Como parte desse esforço, a empresa pretende reduzir as suas emissões globais em 30% até 2030. Da cevada até ao bar e optando por uma abordagem baseada na ciência, a Heineken definirá ações concretas para reduzir a sua pegada de carbono, trabalhando em estreita colaboração com os seus clientes, consumidores e fornecedores. Para reforçar os compromissos assumidos, a Heineken tem vindo a estabelecer parcerias que impulsionem o esforço coletivo. Nesse sentido já se associou ao ‘Business Ambition for 1.5C’, ‘Race to Zero’, e ‘Climate Pledge’, assim como ao ‘RE100′”, esclarece o referido comunicado.

No que respeita ao desperdício zero, em termos de circularidade, “a Heineken compromete-se a eliminar o transporte de resíduos para aterros sanitários, das suas 166 instalações de produção, até 2025”.

“Nesse sentido, acelerará o processo de utilização de embalagens retornáveis, continuando a desenvolver materiais de embalagem inovadores. Exemplo destes é a sua mais recente embalagem reciclável, ‘Green Grip’, já em uso no Reino Unido, que substitui os anéis de plástico de utilização única existentes nos ‘packs’ de latas, poupando a utilização de 500 toneladas de plástico anualmente”, explicam os responsáveis do grupo cervejeiro.

Quanto ao impacto positivo no consumo de água, um elemento essencial para a vida e fundamental para o processo de fabrico de cerveja, trata-se de “um tema central no âmbito dos compromissos ambientais da Heineken.

“Como parte das metas definidas até 2030, a Heineken reduzirá ainda mais o seu consumo médio de água para 2,6 hectolitros por hectolitro (hl/hl) em zonas com escassez de água e para 2,9 hl/hl em todo o mundo. A empresa equilibrará também todo o seu consumo de água usada em produtos em áreas com recursos hídricos limitados, tal como tendo vindo a fazer no México, Espanha, Egito e Malásia. Maximizará igualmente o reaproveitamento e reciclagem da sua água em áreas com recursos hídricos limitados, continuando a colaborar com outros ‘stakeholders’ através da criação de fundos da água e parcerias que visem apoiar a manutenção das bacias hidrográficas”, assegura a administração da cervejeira.

Neste domínio a Heineken assegura que “já repôs seis biliões de litros de água através de vários projetos, contando atualmente com cerca de 12 instalações em zonas com escassez hídrica, as quais já se encontram totalmente equilibradas a nível de água”, acrescentando que, . recentemente, juntou-se ao lançamento da Coligação da Resiliência Hídrica do Pacto Global da ONU, uma iniciativa orientada pelo setor para reduzir o ‘stress’ hídrico até 2050.

No caminho para uma empresa e para um mundo inclusivo, justo e equitativo, a Heinekent pretende reforçar a inclusão e a diversidade, assegurar um local de trabalho justo e seguro, comprometer-se com a igualdade salarial, desenvolver medidas de impacto social nos mercados em que opera, continuar a apoiar pequenos agricultores e aumentar em 50% o volume de produtos agrícola obtidos em África até 2025 em relação a 2020.

No caminho para um consumo moderado e fim do consumo abusivo de bebidas alcoólicas, a Heineken pretende que haja sempre uma escolha para o consumidor, combater o consumo abusivo de bebidas alcoólicas e promover a moderação, alocando 10% do orçamento de ‘marketing’ para campanhas que promovam o consumo responsável, “de forma a realizar a ambição de fazer chegar a sua mensagem de consumo moderado a um bilião de pessoas todos os anos”.

A Heineken emprega mais de 85 mil pessoas e opera cervejeiras, malterias, unidades de produção de sidra e outras instalações de produção em mais de 70 países. O grupo tem um portefólio de mais de 300 cervejas e sidras internacionais, regionais, locais e especiais.

Ler mais
Recomendadas

Instituto do Vinho do Porto autoriza uso da marca ‘Portonic’

O uso da marca depende de prévia autorização pelo IVDP, designadamente da rotulagem da embalagem e da aprovação da bebida, adianta um comunicado desta entidade, sendo que essa bebida pode ser apresentada em garrafa, lata ou outros tipos de embalagem, com diferentes capacidades, a aprovar pelo IVDP.

PremiumUma marisqueira Luminosa no centro da capital

O desafio foi-nos lançado pelo chef João Pedro Costa. Em duas partes.

Grupo de restauração Poke House angariou 20 milhões de euros e vai reforçar expansão em Portugal

Esta cadeia de restauração especializada em gastronomia havaiana estima uma receita de mais de quatro milhões de euros em 2021 no mercado nacional e prevê abrir mais 15 restaurantes em Portugal até ao final de 2024.
Comentários