Herdade da Comporta a caminho do consórcio Amorim/Vanguard

O consórcio de Paula Amorim parece ter o caminho aberto para vencer o novo concurso. Uma vez que tem uma equipa de assessores a fazer a due diligence, que é composta pela Cushman Wakefield (Imobiliário) e pelas consultoras KPMG e EY. Em termos jurídicos está a ser assessorado pelos advogados André Luiz Gomes, José Franqueira Dias e pelo advogado Francisco Cortez, da sociedade Morais Leitão.

And then there was… one. O único consórcio que vai apresentar uma proposta vinculativa com prova de fundos e um projeto ambiental e de sustentabilidade para os ativos da Herdade da Comporta no próximo dia 20 é o consórcio composto pela Amorim Luxury (de Paula Amorim); pela Vanguard Properties de Claude Berda e a Port Noir.

O consórcio de Paula Amorim parece ter o caminho aberto para vencer o novo concurso. Uma vez que tem uma equipa de assessores a fazer a due diligence, e que é composta pela Cushman Wakefield (Imobiliário) e as consultoras KPMG e EY. Em termos jurídicos está a ser assessorado pelos advogados André Luiz Gomes, José Franqueira Dias e pelo advogado Francisco Cortez, da sociedade Morais Leitão.

Paralelamente, o Projeto da Amorim Luxury e Vanguard Properties para a Comporta, está a preparar um projeto ambiental e de sustentabilidade para a Comporta. José Cardoso Botelho, responsável pelo Vanguard Properties anunciou no Linkedin que o projeto do seu consórcio “trará inúmeras inovações neste e noutros domínios [ambiental e de sustentabilidade], suportadas pela melhor ciência e práticas”.

Dois consórcios enviam comunicados no mesmo dia

No mesmo dia os dois consórcios que se tinham apresentado a concurso no processo anterior enviaram comunicados a explicar as “impossibilidades” de concorrer neste novo concurso que está a ser conduzido pela Deloitte.

O consórcio que juntava os empresários britânicos Mark Holyoake e Anton Bilton e o grupo português Portugália (Oakvest/Portugália/Sabina Estates) disse esta quarta-feira em comunicado que “não está disponível para entrar num Novo Processo, do qual não conhece o caderno de encargos e que não oferece o mínimo de garantia de que nele não venha a suceder um mesmo desfecho do Concurso anterior com acrescidos e significativos custos para este Consórcio”. Mas diz mais. Diz que “o consórcio vencedor do Concurso organizado pela Gesfimo SGFII SA para a venda dos ativos do FEIIF-HdC, composto pelas empresas Oakvest/Portugália/Sabina Estates, informou a Gesfimo que não abdica dos seus direitos legais, postos em causa pelos factos ocorridos na AG de 27 de julho”.

“Acresce que até à presente data, as regras do dito novo Concurso de venda dos ativos do FEIIF-HdC, não foram comunicadas a este Consórcio, apesar dos esclarecimentos pedidos junto da Sociedade Gestora”, diz o comunicado.

Recorde-se que os membros deste consórcio não assinaram o compromisso de renuncia à contestação, reclamação ou impugnação do processo de alienação dos ativos da Herdade da Comporta – Fundo Especial de Investimento Fechado, tecnicamente designado de waiver. 

No mesmo dia o Consórcio Victor de Broglie e Global Asset Capital Europe veio dizer que ainda não teve acesso ao “data room” da Comporta e que “uma vez que, neste momento, restam apenas 8 dias úteis antes do prazo de entrega das propostas e sem acesso aos dados fundamentais do negócio a realizar, considera-se este Consórcio objetivamente impossibilitado de proceder ao exigível processo de due dilligence (legal e fiscal), nas condições mínimas de transparência, legalidade e profissionalismo típicas de uma operação desta natureza e envergadura”, refere o comunicado.

O consórcio que tinha Louis-Albert de Broglie como cabeça de cartaz e era ainda composto pela Global Asset Capital Europe e pelo grupo Bonmont assinou o waiver e o acordo de confidencialidade no passado dia 22 de agosto. Mas, ao contrário do grupo Amorim/Vanguard até ao momento não tem acesso ao data room. Isto porquê? Porque a Deloitte pediu mais documentos com informação mais detalhada dos membros do consórcio e essa não foi enviada. Mas sobretudo porque o grupo Bonmont saiu do processo.

O príncipe francês só volta à corrida se o atual processo vier a ser travado por alguma impugnação. Hipótese que parece não estar descartada pelo consórcio da Oakvest.

No próximo dia 20 haverá a entrega das propostas em envelope fechado e na presença de um notário. O valor da proposta tem de contemplar um investimento a longo prazo numa zona de elevada extensão.

Recorde-se que o que está à venda na Herdade da Comporta são os ativos do Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado (FEIIF), criado em 2013, que eram detidos pelo Grupo Espírito Santo (GES). O Fundo, gerido pela Gesfimo — Espírito Santo Irmãos, Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Imobiliário, é detido na maioria pela Rioforte (59%), sociedade do antigo GES, tendo o Novo Banco uma participação de cerca de 15%.

O Fundo foi criado há cerca de cinco anos, com o objetivo de arrancar com dois projetos turísticos — Comporta Links e Comporta Dunes. São estes os ativos imobiliários que estão à venda.

O Comporta Links inclui uma área com 365 hectares, no concelho de Alcácer do Sal, onde iriam ser construídos dois hotéis, dois aparthotéis, lotes para moradias, várias unidades de aldeamento turístico e um campo de golfe com 18 buracos.

Por sua vez, o Comporta Dunes, em Grândola, visava incluir, numa área de 551 hectares de pinhal e perto da praia: quatro hotéis (um em fase de construção – o Hotel Aman, que parou com a falência do GES), um aparthotel, vários lotes para moradias, unidades turísticas e um campo de golfe (de 18 buracos) com 100 hectares desenhado por David McLay Kidd, um dos mais conceituados arquitetos do mundo (já em fase de construção).

Por último, o “pacote” inclui ainda alguns “lotes de terrenos não edificáveis, rurais e de floresta”, inseridos no Comporta Dunes, numa área de 460 hectares, somados a uma participação de 50% no capital social e direitos de voto da sociedade DCR&HDC Developments — Atividades Imobiliárias, sociedade detida pelo fundo da Comporta que desenvolve atividade imobiliária.

(Atualizada)

Ler mais
Recomendadas

BES. Solução para sucursais exteriores pode abranger cerca de 300 pessoas

Em declarações à Lusa, António Borges, presidente da direção da entidade, congratulou-se por, “finalmente, o Governo ter enquadrado os restantes lesados numa solução”, depois de um comunicado do gabinete do primeiro-ministro ter revelado que o Governo propôs às associações de lesados das sucursais exteriores do BES uma solução semelhante à do Banif, que prevê a delimitação de lesados não qualificados com vista à criação de fundo de recuperação.

Programa de aceleração de ‘startups’ de restauração anuncia hoje os dois projetos vencedores

É a primeira edição do novo programa de aceleração da responsabilidade da Startup Lisboa, que contou com a participação de 22 concorrentes, no segmento ‘tech’ e não ‘tech’.

BPI vai sair de bolsa a 1,47 euros, dois cêntimos acima da proposta do CaixaBank

CaixaBank vai pagar 1,47 euros por cada ação aos acionistas do BPI. Nos próximos três meses haverá uma ordem permanente de compra, permitindo aos acionistas do BPI venderem as suas ações ao grupo bancário espanhol.
Comentários