High Bridge reduz posição na Pharol para 4,88%

Em comunicado divulgado pela Comissão do Mercado dos Valores Mobiliários (CMVM), a empresa liderada por Luís Palha da Silva diz que “recebeu do Banco Comercial Português a notificação de participação qualificada” de 4,88%.

Luís Palha da Silva, CEO da Pharol

A High Bridge Unipessoal reduziu a participação que tinha na Pharol, de 9,99% para 4,88%.

Em comunicado divulgado pela Comissão do Mercado dos Valores Mobiliários (CMVM), a empresa liderada por Luís Palha da Silva diz que “recebeu do Banco Comercial Português a notificação de participação qualificada” de 4,88%.

O Millennium bcp é credor da High Bridge porque a empresa entrou em incumprimento um contrato de financiamento. Em consequência, o banco liderado por Miguel Maya ficou com o direito de poder apropriar-se das ações que a High Bridge detinha na Pharol, passando a deter 9,99% da empresa cotada no PSI 20. No âmbito desse empréstimo, as ações da Pharol foram dadas como colateral.

No dia 12 de agosto, o BCP acionou o direito que lhe permitia ficar com uma participação de cerca de 10% da Pharol devido ao incumprimento da High Bridge Unipessoal num financiamento dado pelo banco liderado por Miguel Maya.

Em causa estava a “imputação de direitos de voto inerentes que resulta dos termos e condições de penhores financeiros que incidem sobre ações, as quais continuam a ser detidas pelo respetivo titular”, e que permitiam ao BCP “vir a apropriar-se das ações ou exercer os respetivos direitos de voto”.

O banco liderado por Miguel Maya sempre demonstrou ter a intenção de vender as ações no caso de exercer o penhor. Fonte oficial do BCP revelou na altura, no entanto, que “no financiamento [concedido à High Bridge], o Millennium bcp não transferiu as ações para a sua propriedade, tendo apenas prestado informação sobre o direito acionado”. Além disso, o banco assumiu ainda que “não tem intenção de deter as ações da Pharol e, tendo direitos sobre as mesmas, o natural é vender”.

Ler mais
Relacionadas

Ações que BCP recebeu da Pharol não estão bloqueadas

O BCP ficou com o direito de vender as ações da Pharol detidas pela High Bridge, que a CMVM suspendeu, por falta de transparência da participação, e o banco “tendo direitos sobre as ações, o natural é vender”.

CMVM bloqueia ações da Pharol que têm sido atribuídas a Tanure

Não forem devidamente identificados os beneficiários efetivos das participações da High Seas, da High Bridge e da Blackhill Holding na Pharol. Logo fica imediata e automaticamente suspenso o exercício do direito de voto, as ações são depositadas em conta especial aberta junto de um banco e ficam bloqueadas.

BCP quer vender as ações da Pharol

O banco liderado por Miguel Maya assumiu ainda que “não tem intenção de deter as ações da Pharol e, tendo direitos sobre as mesmas, o natural é vender”.
Recomendadas

Setor de comércio e serviços pede prolongamento do layoff e perdão de rendas

A CCP também aponta que a exigência de certidões de não dívida não faz sentido neste momento em que as empresas enfrentam dificuldades, defendendo que deixe de constituir condição para a “candidatura a qualquer concurso público”.

CFP alerta para impacto “desconhecido” no capital do Novo Banco da litigância com o Fundo de Resolução

No relatório “Perspetivas económicas e orçamentais 2020-2022”, o CFP diz que “existe um risco adicional para as finanças públicas caso o rácio de capital total do Novo Banco se situe abaixo do requisito estabelecido pelas autoridades de supervisão”. Nesta situação, o Estado Português poderá ter de disponibilizar fundos adicionais de forma a que o banco cumpra os requisitos regulatórios. É a chamada Capital Backstop que foi autorizada por Bruxelas para casos “extremos”. O CFP alerta para incógnita sobre o impacto no capital do banco do diferendo na contabilização das IFRS 9.

Extensão das moratórias até 31 de março de 2021 vai hoje a Conselho de Ministros

Proposta das Finanças prevê extensão das moratórias públicas até março de 2021 e o alargar os créditos que poderão beneficiar do regime, como créditos para segunda casa e crédito ao consumo para financiar educação.
Comentários