Hipoteca inversa ou reversiva, já ouviu falar?

Esta hipoteca funciona como segurança do crédito do banco, tal como na hipoteca do crédito à habitação, isto é, como garantia do pagamento do valor do empréstimo.

A hipoteca é uma figura amplamente conhecida e muito utilizada no crédito à habitação.

Na compra de casa com recurso a empréstimo bancário, o modelo de funcionamento é simples: o banco empresta dinheiro aos compradores (mútuo) e, como segurança do reembolso do valor emprestado, fica com o respectivo imóvel hipotecado a seu favor (garantia).

Os compradores tornam-se proprietários da casa e o banco simples credor (hipotecário) e esta qualidade de titular de garantia real confere ao banco o direito de executar o bem em caso de não pagamento da dívida (prestações do crédito à habitação), ou seja, confere-lhe o direito de promover a venda judicial do bem em processo judicial próprio: a chamada acção executiva.

Neste mecanismo, o banco disponibiliza o preço da casa aos compradores e, em contrapartida, recebe uma quantia mensal (prestação) à qual acrescem juros (spread), juros estes que representam o ganho (lucro) da instituição de crédito.

Com a crescente pressão demográfica e o aumento da esperança média de vida, há uma realidade a impor-se e um novo dilema para (a banca) resolver. Por um lado, os valores das reformas ou pensões muitas vezes não chegam para as despesas ou para o padrão de vida a que os séniores aspiram. Por outro lado, estas pessoas acumularam património ao longo da vida, mas não têm forma de o transformar em liquidez, sobretudo quando o património corresponde à casa onde residem.

Neste quadro, os bancos pensaram num mecanismo para disponibilizar recursos financeiros às pessoas mais velhas e desenvolveram a chamada hipoteca inversa, reversa ou reversiva. Esta hipoteca funciona como segurança do crédito do banco, tal como na hipoteca do crédito à habitação, isto é, como garantia do pagamento do valor do empréstimo.

Em função do valor do imóvel, o banco empresta ao respectivo proprietário determinado montante, em duas grandes modalidades: todo de uma vez ou uma certa quantia mensal, como um complemento de reforma.

Trata-se de uma forma de financiamento garantida por património imobiliário, numa espécie de reinterpretação da clássica compra de casa com crédito à habitação. Nos EUA, Europa e Japão, a figura está a ser utilizada pelos bancos com clientes mais velhos, numa fase da vida em que tipicamente não recorreriam ao crédito.

A aguardar regulamentação no nosso país, desde logo para acautelar o risco de desvalorização dos imóveis, esta solução parece ter potencial para fomentar o aumento dos rendimentos disponíveis, desde que contida dentro dos limites do crédito responsável.

Recomendadas

PremiumAntónio Andrade: “O Tribunal Unificado de Patentes pode ser muito negativo para as PME”

António Andrade, sócio da Abreu, explica a importância da proteção de patentes na indústria farmacêutica.

PremiumComo a transformação digital está a mudar os negócios

Para Sam Balaji, líder global de consultoria da Deloitte, há “grandes oportunidades” para Portugal no setor da transformação digital. Finanças, Energia, Retalho e Distribuição são os setores que mais investem.

PremiumPME terão mais uma forma de financiamento

Advogado Gustavo Ordonhas Oliveira diz que já há interessados em criar fundos de crédito, inclusive gestoras de fundos de capital de risco.
Comentários