Holigen: “Portugal pode ser um líder mundial da canábis medicinal desde a produção ao produto final”

Em declarações ao Jornal Económico, o CEO da empresa, Pauric Duffy acredita que “em 2028, está previsto que a Europa lidere [o mercado] a nível mundial valendo por si só 58 mil milhões de euros, com Portugal a representar 500 milhões de euros”.

David McNew/Reuters

A Holigen vai investir 45 milhões de euros em Portugal para a produção de canábis medicinal e gerar 200 postos de trabalho nos próximos quatro anos.

Depois da abertura das instalações na Austrália, a primeira infraestrutura da empresa em Portugal está já em construção em Sintra, com 21.500 mil metros quadrados para o cultivo, processamento, produção.

Em declarações ao Jornal Económico (JE), o CEO do grupo farmacêutico, Pauric Duffy afirma que “Portugal apresenta as melhores condições para o mercado atual, com recursos humanos altamente qualificados, clima ideal e autoridades eficientes e progressistas”.

Investimento de mais de 160 milhões na canábis medicinal em Portugal cria 750 postos de trabalho

A escolha do solo português como segunda a aposta não foi fácil para o grupo, depois de ter viajado por todo o mundo em busca da melhor opção, “viajámos por todo o mundo e decidimos que a Austrália e Portugal eram os melhores países a investir para alcançar uma posição líder mundial no mercado da canábis medicinal”, revela o dirigente.

Para além do clima privilegiado e do solo fértil, Duffy sublinha que “Portugal pode ser um líder mundial desde a produção ao produto final”, acrescentando que esse é o principal motivo para o investido em recursos humanos, infraestruturas e possíveis acordos de cooperação com entidades como a Fundação Champalimaud.

RPK Biopharma 

Este ano, a Holigen também iniciará as obras de uma das maiores instalações de cultivo de canábis ao ar livre do mundo, em Aljustrel. Esta terá uma área combinada de produção, transformação e I&D de mais de 7 mil metros quadrados.

A RPK Biopharma, é empresa ‘filha’ da Holigen, e será a empresa operacional em Portugal, detentora de uma das primeiras licenças de cultivo, processamento, produção de acordo com as Boas Práticas de Fabricação e I&D em solo português. “Essas licenças incorporam um cultivo indoor e outdoor, incluindo uma das maiores instalações de cultivo de canábis ao ar livre do mundo desenvolvido (65 hectares, Aljustrel, Portugal)”, explica o CEO. “O nosso objetivo é produzir ingredientes e produtos ativos de canábis de grau farmacêutico e sermos uma referência mundial com a RPK Biopharma e a TCann como centros estratégicos.”

Holigen investe 45 milhões na canábis medicinal e cria 200 postos de trabalho

Processo de licenciamento

No que toca ao processo de licenciamento para a produção, o CEO da empresa de canábis medicinal aplaude a rápida adaptação dos governos nacionais, locais e da Infarmed face à legalização da planta aprovada, no ano passado apesar da aprovação demorar “mais algum tempo até chegarmos à última fase”. Ao JE, o dirigente da farmacêutica admite que “em vários aspetos, Portugal está mais preparado do que a Austrália no que concerne a processos de licenciamento”.

“Não nos podemos esquecer que estamos a falar de canábis medicinal onde o Infarmed e as empresas licenciadas não podem correr riscos porque estamos a falar da saúde das pessoas”, alerta Duffy. “É a razão pela qual apontámos para a produção de canábis medicinal de grau farmacêutico”.

O CEO explica que a aposta na canábis medicinal vem depois de pesquisas económicas aprofundadas que permitiram dar à empresa a visão do potencial crescimento a longo prazo. “Não se trata de um mercado para aventureiros e curiosos porque requer, desde logo, bastante tempo, dinheiro, resiliência e uma equipa bem preparada para cumprir os requisitos necessariamente exigentes”, afirma Pauric Duffy. “Repare, em 2028, está previsto que a Europa lidere [o mercado] a nível mundial valendo por si só 58 mil milhões de euros, com Portugal a representar 500 milhões de euros”.

Ler mais
Recomendadas
pedro-pardal-henriques

Motoristas avançam com greve ao trabalho suplementar no início de setembro

O sindicato dos motoristas de matérias perigosas vai entregar hoje o pré-aviso de greve ao trabalho suplementar, após não chegarem a acordo com os patrões. “O único regime em que as pessoas podem fazer trabalho suplementar sem receberem é a Coreia do Norte”, disse Pardal Henriques.

Adivinhar o futuro

É necessário o relançamento de uma política fiscal que favoreça a atividade empresarial, sobretudo que permita o incremento da competitividade.

Dividir Google, Amazon, Facebook, Apple e Microsoft: o Oriente agradece

Atualmente, quando se pensa na divisão das megaempresas para ganhar terreno no plano concorrencial, não se pode pensar apenas no plano económico, também importa pensar no plano geopolítico.
Comentários