Homem foi preso após ligar 24 mil vezes para uma empresa a queixar-se

Akitoshi Okamota foi detido pelas autoridades japonesas no dia 26 de novembro com a suspeição de “obstrução fraudulenta ao negócio” depois da queixa da KDDI.

Um homem japonês de 71 anos foi preso após ligar de forma incessante durante dois anos para uma companhia de telecomunicações nipónica. Ao todo foram mais de 24 mil chamadas, que culminaram com uma queixa às autoridades por parte da KDDI, uma das empresas de telecomunicações mais conhecidas no Japão, segundo a CNN.

Akitoshi Okamota, foi detido pelas autoridades no dia 26 de novembro com a suspeição de “obstrução fraudulenta ao negócio” depois da queixa da KDDI.

Okamota justifica que só estava a tentar reclamar os seus direitos depois de a empresa ter cancelado o seu contrato. As chamadas que, na maioria das vezes, eram terminadas pelo próprio imediatamente após serem atendidas por um operador, tinham como objetivo exigir que a companhia se deslocasse até à sua casa para lhe pedir desculpas pessoalmente.

A companhia de telecomunicações disse à CNN que, uma das razões para o descontentamento de Okamota, foi não poder ligar para um programa de rádio através de um número que a estação (de rádio) tinha divulgado.

De acordo com a lei japonesa, qualquer pessoa que impeça um negócio de funcionar normalmente pode ser acusada de “obstrução fraudulenta ao negócio” e enfrentará uma pena que pode chegar aos três anos de prisão.

Recomendadas

Incêndios: atrasados pagamentos aos bombeiros do Dispositivo de Combate

As remunerações aos bombeiros integrados no Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR), referentes a junho, estão atrasadas.

Novo presidente da Comunidade Islâmica assegura “sapiência” e “bom senso”

O novo presidente da Comunidade Islâmica de Lisboa (CVIL), Mahomed Iqbal, aponta como prioridades a juventude, a mulher e o diálogo inter-religioso.

Portugal regista mais 328 casos de Covid-19 nas últimas 24 horas

Portugal contabiliza agora 43.897 casos confirmados da doença. O número de vítimas mortais do novo coronavírus no país aumentou para 1.614. A taxa de crescimento diário fixou-se nos 0,75%, sendo que mais de 70% dos novos casos foram na região de Lisboa e Vale do Tejo.
Comentários