Hong Kong: Governo pede desculpas após polícia pulverizar mesquita durante protesto

O Governo de Hong Kong pediu hoje desculpas a líderes muçulmanos, depois da polícia antimotim ter pulverizado um portão da mesquita e algumas pessoas com um canhão de água, quando as autoridades tentavam dispersar os manifestantes no domingo.

A chefe do Governo, Carrie Lam, e o chefe de polícia visitaram a mesquita de Kowloon para pedirem desculpas aos líderes da comunidade muçulmana, disseram aos jornalistas os responsáveis religiosos.

“A nossa mesquita não está danificada. (…) A única coisa é que eles não deveriam ter feito isso. Eles pediram desculpas pelo sucedido e nós aceitámos”, disse o secretário honorário do Fundo da Comunidade Islâmica de Hong Kong, Saeed Uddin.

Durante o protesto de domingo, uma viatura da polícia pulverizou com água tingida de azul algumas pessoas que se encontravam em pé à frente do portão da mesquita.

A emissora local RTHK informou que as pessoas fora da mesquita estavam no local para a proteger.

As autoridades de Hong Kong esforçaram-se para minimizar as consequências do incidente, que os manifestantes usaram como o exemplo mais recente do que apelidam de táticas policiais desproporcionadas.

A polícia usou o canhão de água, gás lacrimogéneo e gás pimenta para combater os manifestantes que permaneceram nas ruas no final de uma manifestação não autorizada, durante a qual se exigiram reformas políticas e um inquérito independente á atuação policial.

Hong Kong é o lar de mais de 300.000 muçulmanos, segundo o Fundo da Comunidade Islâmica, que administra as cinco mesquitas e dois cemitérios da cidade.

A polícia disse no domingo que a pulverização da mesquita foi um acidente e enviou representantes para se encontrarem com os líderes da mesquita.

“É lamentável que a operação de dispersão tenha causado um impacto não intencional na mesquita de Kowloon”, escreveu a polícia na sua página na rede social Facebook.

Ler mais
Recomendadas

Muitas vezes ou sempre “justificáveis”. Italianos estão mais à vontade com atos racistas

Com base em 1.500 inquiridos, um estudo concluiu que existe “um relaxamento nas atitudes em relação ao racismo”. Resultados da pesquisa chegam depois de uma série de incidentes racistas e anti-semitas contra a senadora da Republica da Itália.

‘Impeachment’. Trump promete divulgar transcrição de outra chamada com presidente ucraniano

Trump avançou que divulgaria a transcrição esta terça-feira, descrevendo-a para os repórteres como “muito importante”. Ao que tudo indica, esta segunda chamada terá ocorrido depois da primeira que desencadeou o processo de destituição contra o presidente norte-americano.

Pneumonia: Várias regiões portuguesas com as taxas mais elevadas de mortalidade na Europa

Portugal encontra-se em destaque no mapa elaborado pelo Eurostat, com várias regiões portuguesas a registarem as taxas mais elevadas de mortalidade associadas à pneumonia em 2016.
Comentários