Hong Kong: Homens mascarados invadem estação de comboios e atacam passageiros

Vídeos publicados nas redes sociais mostram os invasores a agredir pessoas com varas metálicas e de madeira dentro da estação, num confronto que causou ferimentos a 45 passageiros. Muitos deles regressavam de manifestações contra o Governo.

DR Philip Fong/AFP/Getty Images

Dezenas de homens mascarados invadiram uma estação de comboios em Hong Kong, este domingo e atacaram os passageiros. Os vídeos gravados este domingo, mostram dezenas de homens, a maioria com máscaras, a invadir uma estação de comboio, perseguindo passageiros e agredindo-os com bastões.

Entre os feridos no ataque, em Yuen Long, estavam os manifestantes que regressavam de uma manifestação contra o governo, assim como uma mulher grávida e uma mãe com uma criança, de acordo com testemunhas locais.

Apesar das várias semanas de manifestações, esta é a primeira vez que este tipo de violência é registado. Vários juristas de Hong Kong questionam por que motivo a polícia demorou tanto a chegar ao local, reporta a BBC.

Os vídeos publicados nas redes sociais mostram os invasores a agredir pessoas com varas metálicas e de madeira dentro da estação, num confronto que causou ferimentos a 45 passageiros. Nenhuma das pessoas se encontra em estado crítico.

Ler mais
Recomendadas

Angela Merkel e Boris Johnson consideram prematuro regresso da Rússia ao G7

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disseram esta quarta-feira em Berlim ser prematuro considerar o regresso da Rússia ao G7, uma ideia avançada pelo Presidente norte-americano, Donald Trump.

Oposição venezuelana anuncia nova fase de mais pressão contra o regime

O presidente do parlamento venezuelano, Juan Guaidó, disse esta quarta-feira que a oposição tem mantido conversações com o governo dos Estados Unidos e anunciou que chegou o momento de pressionar mais o regime liderado por Nicolás Maduro.

António Guterres participa na cimeira do G7 e intervém sobre biodiversidade e oceanos

O secretário-geral das Nações Unidas vai participar na cimeira do G7, seguindo depois para uma conferência sobre o desenvolvimento africano, no Japão, e ficará três dias na República Democrática do Congo para mobilizar apoio contra a epidemia de Ébola.
Comentários