Hong Kong: Homens mascarados invadem estação de comboios e atacam passageiros

Vídeos publicados nas redes sociais mostram os invasores a agredir pessoas com varas metálicas e de madeira dentro da estação, num confronto que causou ferimentos a 45 passageiros. Muitos deles regressavam de manifestações contra o Governo.

DR Philip Fong/AFP/Getty Images

Dezenas de homens mascarados invadiram uma estação de comboios em Hong Kong, este domingo e atacaram os passageiros. Os vídeos gravados este domingo, mostram dezenas de homens, a maioria com máscaras, a invadir uma estação de comboio, perseguindo passageiros e agredindo-os com bastões.

Entre os feridos no ataque, em Yuen Long, estavam os manifestantes que regressavam de uma manifestação contra o governo, assim como uma mulher grávida e uma mãe com uma criança, de acordo com testemunhas locais.

Apesar das várias semanas de manifestações, esta é a primeira vez que este tipo de violência é registado. Vários juristas de Hong Kong questionam por que motivo a polícia demorou tanto a chegar ao local, reporta a BBC.

Os vídeos publicados nas redes sociais mostram os invasores a agredir pessoas com varas metálicas e de madeira dentro da estação, num confronto que causou ferimentos a 45 passageiros. Nenhuma das pessoas se encontra em estado crítico.

Ler mais
Recomendadas

China suspende viagens organizadas na China e ao exterior devido ao coronavírus

A partir de segunda-feira as agências de viagens chinesas não poderão mais vender reservas de hotel nem viagens em grupo.

Xi Jiping adverte que “situação é grave” e “propagação do coronavírus acelera-se”

O Presidente chinês, Xi Jiping, admitiu hoje que a China enfrenta uma “situação grave” devido à “propagação acelerada” do novo coronavírus, mas assegurou que o país pode “vencer a batalha” contra o vírus.

Luanda Leaks: Ministra das Finanças de Angola diz que é preciso respeitar os órgãos judiciais

A ministra das Finanças de Angola, Vera Daves, afirmou, em Davos, que é necessário “respeitar o trabalho dos órgãos judiciais” nos casos de alegada corrupção em Angola, lamentando que “apenas alguns” sejam mediáticos.
Comentários