Hospitais adiam exames oncológicos para lucrar com rastreios

“É uma vergonha o que se está a fazer. Se tivéssemos capacidade instalada nos hospitais não teria problema algum, mas faltam anestesistas, colonoscópios, o material não é renovado”, explica Luís Tomé, presidente da Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia.

Há várias centenas de doentes em tratamento oncológicos em hospitais públicos que ainda esperam exames ao cólon e reto porque estão a ser ultrapassados por utentes que vão apenas fazer colonoscopias de rastreio, revela o “Expresso” na edição deste sábado (23 de março).

Em causa está o facto de o Ministério da Saúde ter passado a dar a estas unidades hospitalares um incentivo financeiro para os casos de prevenção/avaliação de pólipos e lesões cancerígenas, segundo denunciou a Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia.

“É uma vergonha o que se está a fazer. Se tivéssemos capacidade instalada nos hospitais não teria problema algum, mas faltam anestesistas, colonoscópios, o material não é renovado. É uma política desastrosa, com um enorme desperdício de dinheiro”, afirmou ao jornal Luís Tomé, presidente desta sociedade.

De acordo com a notícia avançada pelo semanário do grupo Impresa, está a ser dada prioridade aos rastreios porque são mais lucrativos: uma colonoscopia na atividade regular é paga por cerca de 169 euros (tal como recebem os privados com acordo), mas vale 378 euros quando é para vigilância.

Relacionadas

Cientistas estimam que 1,4 milhões de europeus vão morrer de cancro em 2019

Cientistas estimam que 1,4 milhões de pessoas da União Europeia vão morrer de cancro em 2019, o que representa um aumento de 4,8% face a 2014, segundo um estudo divulgado esta terça-feira.

Greve dos enfermeiros: Doentes com cancro suspendem tratamentos e ficam sem cirurgias

A segunda “greve cirúrgica” dos enfermeiros vai prolongar-se até 28 de fevereiro e é hoje alargada a mais três centros hospitalares: Coimbra, Lisboa Norte e Setúbal.
Recomendadas

Ordem dos Enfermeiros vai apresentar queixa contra inspetores de saúde

Sequestro qualificado, furto qualificado e coacção agravada são alguns dos nove crimes alegadamente praticados por Leonor Furtado e pelos inspetores que liderou neste processo.

Surdos já podem ligar para os serviços de emergência através de nova aplicação

Esta aplicação é “exclusivamente dedicada aos cidadãos surdos e destina-se a possibilitar a essa população um canal privilegiado de contacto com o serviço 112 para comunicação de emergências”, segundo o Governo.

Queijo e fiambre são os próximos alvos da Direção-Geral de Saúde. Enchidos ficam a salvo

Mais de metade dos adultos nacionais ainda apresenta peso a mais e a Direção-Geral da Saúde indica que a tendência deste número é para aumentar, sendo que 22% sofrem de obesidade.
Comentários