Hospitais adiam exames oncológicos para lucrar com rastreios

“É uma vergonha o que se está a fazer. Se tivéssemos capacidade instalada nos hospitais não teria problema algum, mas faltam anestesistas, colonoscópios, o material não é renovado”, explica Luís Tomé, presidente da Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia.

Há várias centenas de doentes em tratamento oncológicos em hospitais públicos que ainda esperam exames ao cólon e reto porque estão a ser ultrapassados por utentes que vão apenas fazer colonoscopias de rastreio, revela o “Expresso” na edição deste sábado (23 de março).

Em causa está o facto de o Ministério da Saúde ter passado a dar a estas unidades hospitalares um incentivo financeiro para os casos de prevenção/avaliação de pólipos e lesões cancerígenas, segundo denunciou a Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia.

“É uma vergonha o que se está a fazer. Se tivéssemos capacidade instalada nos hospitais não teria problema algum, mas faltam anestesistas, colonoscópios, o material não é renovado. É uma política desastrosa, com um enorme desperdício de dinheiro”, afirmou ao jornal Luís Tomé, presidente desta sociedade.

De acordo com a notícia avançada pelo semanário do grupo Impresa, está a ser dada prioridade aos rastreios porque são mais lucrativos: uma colonoscopia na atividade regular é paga por cerca de 169 euros (tal como recebem os privados com acordo), mas vale 378 euros quando é para vigilância.

Relacionadas

Cientistas estimam que 1,4 milhões de europeus vão morrer de cancro em 2019

Cientistas estimam que 1,4 milhões de pessoas da União Europeia vão morrer de cancro em 2019, o que representa um aumento de 4,8% face a 2014, segundo um estudo divulgado esta terça-feira.

Greve dos enfermeiros: Doentes com cancro suspendem tratamentos e ficam sem cirurgias

A segunda “greve cirúrgica” dos enfermeiros vai prolongar-se até 28 de fevereiro e é hoje alargada a mais três centros hospitalares: Coimbra, Lisboa Norte e Setúbal.
Recomendadas

Holigen: “Portugal pode ser um líder mundial da canábis medicinal desde a produção ao produto final”

Em declarações ao Jornal Económico, o CEO da empresa, Pauric Duffy acredita que “em 2028, está previsto que a Europa lidere [o mercado] a nível mundial valendo por si só 58 mil milhões de euros, com Portugal a representar 500 milhões de euros”.

Farmacêutica portuguesa BIAL já exporta mais de 70% da sua produção

A BIAL tem atualmente filiais em nove países e vende os seus medicamentos em mais de 55, sobretudo da Europa, África e América.

Holigen investe 45 milhões na canábis medicinal e cria 200 postos de trabalho

A empresa tem intenção de produzir 500 toneladas de canábis por ano de forma a responder à procura do mercado global. “Portugal é um país estratégico para nós, que desempenha um papel fundamental no nosso plano de crescimento no continente europeu e exportação para a Australia”, segundo a Holigen.
Comentários