Luz Saúde cancela contrato com a ADSE a 15 de abril: 250 mil clientes afetados

A rede Hospital da Luz conta com 14 hospitais e 13 clínicas ambulatórias de proximidade, e estima que 250 mil clientes serão afetados com esta medida. Marcações feitas até hoje pelos beneficiários da ADSE mantêm-se dentro do regime convencionado, mesmo que tenham lugar após 15 de abril.

A Luz Saúde vai deixar de prestar serviços ao abrigo da ADSE a partir de 15 de abril, apurou o Jornal Económico esta terça-feira. Depois da José de Mello Saúde, a dona dos hospitais CUF, ter anunciado o cancelamento com a ADSE, também a empresa dona do Hospital da Luz, em Lisboa, vai cancelar os contratos.

“Apesar de todos os nossos esforços no sentido de o evitar, informamos que os Hospitais e Clínicas da Rede Hospital da Luz se veem obrigados, a partir de 15 de abril, a deixar de prestar os serviços ao abrigo das convenções celebradas com a ADSE”, pode-se ler num comunicado da Luz Saúde enviado aos seus colaboradores, a que o Económico teve acesso.

“É fundamental perceber que esta decisão afetará a vida de mais de 250 mil clientes, beneficiários deste subsistema, que hoje honram a rede Hospital da Luz com a sua preferência”, esclarece a companhia detida pela seguradora Fidelidade e pelos chineses da Fosun que conta com 14 hospitais e 13 clínicas ambulatórias de proximidade .

“Fazemo-lo com a convicção de que tentámos, até ao limite, encontrar um entendimento com a ADSE que permitisse: um acordo equilibrado para as partes no contexto da negociação de uma tabela que se encontra desatualizada para a prática de uma Medicina moderna, quer do ponto de vista de preços, sem alterações há mais de 20 anos, quer no que respeita à inexistência de atos médicos que fazem parte da rotina médica atual”, segundo o documento, que conta com a data de 12 de fevereiro.

A Luz Saúde destaca que a “não aplicação retroativa de regras de regularização de faturação que consideramos manifestamente ilegais e que introduzem uma imprevisibilidade na nossa atividade que é impossível aceitar, já que implicam que no momento da prestação não seja possível saber a que preços estamos a praticar o serviço; e, sobretudo, a melhor defesa dos interesses dos seus beneficiários”.

E o que é que vai acontecer a partir de 15 de abril? “As novas marcações feitas para data posterior a 15 de abril deixam de estar abrangidas pelo regime convencionado, podendo ser realizadas em regime de reembolso”.

“Na defesa dos melhores interesses dos beneficiários da ADSE, continuarão a ser prestados os seguintes serviços ao abrigo do regime convencionado, desde que iniciados antes do dia 15 de abril, nomeadamente: o acompanhamento às grávidas até à alta após o parto; o tratamentos relacionados com doença oncológica;
o cuidados de saúde de internamento”, acrescenta.

“Mantêm-se também dentro do regime convencionado todas as marcações feitas pelos beneficiários da ADSE até à presente data, mesmo que se realizem depois de 15 de abril”, garante a Luz Saúde.

Respostas Rápidas. Quem tem ADSE pode recorrer aos hospitais da José de Mello Saúde ou Luz Saúde?

Ler mais
Relacionadas

Respostas Rápidas. Quem tem ADSE pode recorrer aos hospitais da José de Mello Saúde ou Luz Saúde?

A José de Mello Saúde formalizou na segunda-feira a suspensão da convenção com a ADSE. O grupo Luz Saúde seguiu-lhe os passos. O que pode acontecer?

José Mello Saúde formaliza suspensão da convenção com ADSE

A José de Mello Saúde formalizou na segunda-feira a suspensão da convenção com a ADSE para prestação e cuidados de saúde aos seus beneficiários em toda a rede CUF, podendo evoluir para denúncia definitiva da convenção.
Recomendadas

Calçado vegan? Sim, também já há

Uma empresa da Póvoa de Lanhoso considera que nem mesmo uma indústria tradicional como o calçado precisa de recorrer a produtos que, do ponte de vista da sustentabilidade, não fazem sentido.

Crédito Agrícola elege nova administração a 25 de maio

A Caixa Central de Crédito Agrícola é responsável pela coordenação e supervisão das 80 Caixas de Crédito Agrícola Mútuo e é liderada por Licínio Pina desde 2013, há dois mandatos. O gestor trabalha no banco há mais de 30 anos.

Empresas começam projetos de inovação mas não conseguem acabar mais de metade

O excesso de projetos, a falta de liderança e a ausência de processos estão a bloquear o desenvolvimento das organizações mundiais, segundo o estudo “Having a successful innovation agenda”, elaborado pela multinacional Oracle.
Comentários