PremiumHostmaker: “Se matarem o alojamento local vão ter que o reativar”

David Costa, executivo da empresa em Lisboa, critica as medidas que o Estado pretende introduzir no setor no Orçamento do Estado para 2020: “O alojamento local tem custos bastante superiores ao alojamento tradicional”.

As propostas do Governo para Orçamento do Estado de 2020, em relação ao Alojamento Local (AL) estão a causar polémica no segmento. “Matar o AL neste momento em que Portugal é um país de referência no turismo mundial, é incorreto, porque certamente que se o matarem vão ter que o reativar novamente”, afirma David Costa, senior business development manager da Hostmaker, durante a apresentação dos resultados e perspetivas da empresa para 2020 realizada nesta quinta-feira, 16 de janeiro.

“Qual é o sentido de ter uma casa em alojamento local numa rua de contenção e outra casa no outro lado dessa rua, que como já está fora da zona de contenção paga menos imposto. Não tem cabimento nenhum e não é justo”, salienta David Costa. O responsável dá o exemplo da indústria hoteleira que “abre hotéis em tudo o que é sítio e a pagar 15%. São dois pesos e duas medidas. Vamos ver se essa medida vai ser aprovada”, realça o responsável.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Preços das casas de luxo em Lisboa já superam Madrid, Barcelona e Dubai

Valor do metro quadrado ronda os 10 mil euros e já está ao mesmo nível de cidades como Amesterdão e Miami. Estudo da consultora imobiliária Savills aponta para uma subida de entre 6% a 7,9% para 2020.

INE: taxa de juro no crédito para aquisição e habitação subiu para 1,081% nos contratos celebrados entre outubro e dezembro de 2019

Num período de tempo mais alargado, o INE notou que na totalidade do crédito à habitação, que inclui financiamento para outros destinos que não apenas a aquisição de habitação,  a taxa de juro implícita desceu para 1%, o valor mais baixo desde de julho de 2019, mês em que estava nos nos 1,081%, tendo vindo sucessivamente a descer, para os níveis registados no mês passado.

Fundo britânico compra edifício em Lisboa por 22,3 milhões de euros

Localizado na Avenida Miguel Bombarda, o empreendimento outrora ocupado pelo banco e empresas do grupo Santander, é composto por nove andares acima do solo e cinco subterrâneos, disponibilizando uma área bruta locável de 7.240 m2 e 91 lugares de estacionamento.
Comentários